Pular para o conteúdo principal

100 Years of Beauty: Aging | Quanto tempo ainda vamos perder?

Este vídeo é tão lindo!... Um casal jovem, que vai se casar em breve, passou pela experiência de ser artificialmente envelhecido por maquiadores profissionais.
Clique neste link para assistir

O vídeo começa com eles na idade real, final dos 20' e, em pouco tempo, se vêem com 50 anos, com 70 e com 90 anos. É impossível não chorar com o que se vê. E a fala do noivo, sempre tão carinhoso, é emocionante.

Para pensar muito sobre a rapidez da vida e para reassistir de vez em quando.
_._._._

E como estou achando os 50' muito cheios de questionamentos sobre aproveitamento do tempo que temos, sobre finitude, sobre etapas desperdiçadas, aqui vai mais um texto para inspirar/pensar:

Quando foi a última vez que você fez algo pela primeira vez?

Ruth Manus
20 maio 2015 | OESP

Quanto tempo ainda vamos perder?


“A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca e que, esquivando-nos do sofrimento, perdemos também a felicidade.”
Ah, Drummond.
Ele sempre foi minha grande paixão. Mas essa frase… Essa frase é especial. Foi a frase que minha amiga amada pediu para pintarem na parede do seu quarto quando começou a quimioterapia. E ela viveu todos seus dias intensamente, com um sorriso no rosto, pedindo pra ficar mais um pouco.
Até que um dia ela se foi. E eu, aos 18 anos, me prometi que viveria por mim e por ela. Que não teria medo de arriscar e que nunca faria da minha vida um mero encadeamento de dias. Estou tentando.
Então, diariamente, uma pergunta martela na minha cabeça: quanto tempo perdemos?  E quanto tempo ainda vamos perder?
Porque me falta tempo; porque acordo cedo amanhã; porque tô com enxaqueca; porque tô de dieta. Com excesso de zelo, excesso de cautela, excesso de fé na ideia de que sempre pode ficar para amanhã.
Chega, vai. A vida é só uma e a vida passa correndo. Quando a gente vê, já passaram as chances e tudo o que sobra na cabeça é um triste e fosco rol de hipóteses não tentadas e de riscos não corridos.
E essa conversa não é necessariamente sobre projetos grandiosos. É simplesmente sobre sopros de liberdade. Sobre uma vida mais feliz por ter menos regras intransponíveis.
É sobre pegar um cinema sozinho, de preferência numa terça-feira.
Sobre comprar uma passagem poucas horas antes do voo. E ir só com a roupa do corpo.
Sobre voltar da padaria com um sonho pro porteiro do prédio.
Sobre ir de pijama à garagem buscar aquele negócio que ficou no carro.
Sobre entrar no elevador com a toalha de banho enrolada na cabeça
Sobre comer jiló, javali, jaca, jacaré.
Sobre pedir desculpas por um erro de 2002.
Sobre pegar insetos nas mãos.
Sobre ligar, dizer que sente falta, que sente muito, que sente que pode ser agora.
Sobre comprar aquela peça de roupa que você sempre namorou, mas que acha inadequada para a sua idade ou para o seu tipo físico.
Sobre fazer caretas para as crianças da perua escolar no trânsito.
Sobre parar num bar e tomar uma, duas, três cervejas só na sua companhia, em horários inadequados.
Sobre deitar na cama, dormir de roupa, sem escovar os dentes.
Sobre finalmente mandar pessoas tóxicas à merda.
Sobre cortar curtinho, pular do alto, nadar no fundo.
Sobre um belo dia resolver mudar e fazer tudo o que se quer fazer, se libertando daquela vida vulgar que a Rita Lee cantou.
Sobre não se render mais um dia à tal prudência egoísta que nada arrisca de Drummond.
Porque é fácil levar uma vida banal e queixar-se a respeito dela. Mas será que quando a vida não é fantástica, a culpa é do destino ou a culpa é nossa?
Eu não sei se a vida é curta, mas sei que essa vida é uma só. E que o tempo não volta.
A gente tem que fazer o que tem que ser feito.
Pode ser hoje. Façamos ser hoje.

Texto publicado no jornal O Estado de São Paulo

Comentários

Postagens mais visitadas

Minimalismo por que?

Fui atraída pelo assunto Minimalismo após ler posts de moda que tratavam sobre consumo excessivo e ter ficado refletindo sobre a grande relevância desse assunto. Em seguida me empenhei na leitura de diversos blogs sobre o tema [há vários listados aqui no blogroll]. O interesse por algo diferente do seu cotidiano não acontece do nada: alguma coisa está mudando em você, ou lhe incomodando, criando a necessidade de transformação, de outro enfoque.
No meu caso, vejo agora, duas correntes complementares causaram isso: meu amor por organização + o desagrado com a maioria das compras de roupas que eu vinha fazendo.
O método da Marie Kondo ajudou a destralhar meu guarda-roupa e escritório. No entanto, ainda falta... Sinto que posso fazer melhor, que há mais a ser retirado das estantes. E a quantidade absurda de roupas que foi removida do armário, muitas delas sem uso, fez com que eu tivesse de encarar de frente que meus hábitos de consumo estavam equivocados [para falar o mínimo].
Ou seja: c…

Casa Mathilde em Moema

A sede da tradicional Casa Mathilde, doçaria portuguesa, fica próxima à estação São Bento, no Centro de São Paulo. Ocupando o endereço do antigo Fasano, é um lugar charmoso, com um balcão enorme cheio de opções de doces. Ali as possibilidades vão muito além dos tradicionais Pastéis de Santa Clara / Pastéis de Nata. São bolos, tortas e doces portugueses que não se encontram em nenhum outro lugar, e que competem pela nossa atenção. A dificuldade é escolher. =D Apesar de todos esses atributos, nem todo mundo tinha disposição de ir ao velho Centro em busca de seus doces. Mas agora, a boa notícia: a Casa Mathilde abriu uma filial na Avenida Ibirapuera, no bairro de Moema! Av. Ibirapuera, 2082 (em frente à igreja Nª Sra Aparecida, no jardim de Moema) Domingo à Quinta das 9h às 20h. Sexta e Sábado das 9h às 23h Estacionamento na porta, com manobrista [R$5] Estive lá no domingo. É um espaço agradável, organizado, bem iluminado. Estava absolutamente lotado, com fila até para escolher um doce no ba…

Dicas de presente para terceira idade - I

I- Para uma senhora idosa ativa

Pessoas mais idosas são difíceis de presentear pois os itens escolhidos têm que ser muito bem pensados para que não se tornem mais um estorvo dentro da casa ou do armário.
Vale aqui a mesma coisa que pensamos quando estamos procurando algo para alguém mais jovem: qual a rotina da pessoa? qual seu hobby? do que ela gosta mais?

Para as pessoas da terceira idade que mantém rotina agitada as opções são maiores. Sei disso porque meus pais têm quase 90 anos e são super ativos, viajam, lêem, assistem filmes. Sempre mais fácil presentear nesses casos. Com quem você tem intimidade estão liberados os itens de MODA como roupas, bolsas e sapatos. Aqui seguem ideias para presentear uma idosa ativa, porém não tão íntima para escolhermos os itens acima.


Colares
Adoro senhorinhas com muitos colares ou com peças bem coloridas. É uma época da vida em que você não tem que seguir moda, você FAZ sua moda.   Este acima seria perfeito para minha mãe, que gosta de cristais e br…

Armário cápsula: como foi o primeiro mês do Projeto 333

Resposta rápida: foi moleza. :D

Fevereiro, conforme previsto pela meteorologia, foi um mês de altas temperaturas (põe altas nisso!!!). Daí que minha escolha pelas peças mais leves do guarda-roupa foi providencial e me deixou confortável o tempo todo.
Para vocês terem uma ideia de como a gente acha que precisa de muito mais coisas do que a realidade, das 31 peças de escolhi [link] eu não usei 6! Ou seja, os 30 dias foram muito bem passados com apenas 25 itens.

Fiz uma alteração, no entanto: troquei uma camiseta bordada por uma lisa pois fomos viajar para Águas de Lindoia, eu dirigindo, e a fricção no cinto de segurança acabaria estragando o trabalho da blusa. Mas foi uma substituição, não mudou o número de peças usadas.
As semanas foram passadas com repetições de quatro vestidos, um macacão e um jeans com camisetas variadas. Vestido é uma maravilha, pois com uma só peça você está rapidamente pronta para o dia todo. Aproveitei demais os meus escolhidos!
 AMO este vestido da Anthropologi…

Desafio um ano sem compras - Mar/18

Agora já foram três meses do Desafio e, incrivelmente e sem eu perceber, 1/4 do "um ano sem compras" já passou!

Olha, não vou dizer que está moleza, porque não está: tem horas que eu quase sucumbo à vontade de mandar tudo às favas e levar para casa aquele vestido lindo, ou a saia maravilhosa...

Mas veja bem, eu disse quase
Tenho passado por ondas de desejo nas vezes em que vejo minha irmã experimentando peças em uma loja legal. Daí que eu 'choro, resmungo, esperneio', etc., mas no fim mantenho a carteira fechada e saio de mãos abanando.

A maior conquista deste desafio está sendo conseguir frear o impulso da compra, por mais que na hora isso me deixe abalada.


E sabe, as regras que estabeleci antes de começar o Desafio também ajudaram a diminuir a pressão... Principalmente o item Paetês, que foi muito explorado: comprei camisetas, casaco e sapatos - mas veja bem, é TUDO paetês, item permitido, não houve trapaça.

Outra coisa incrível foi a redução de gastos do cartão d…

Trend Inverno/18: xadrez

Este é o inverno das padronagens xadrezas, olha a coleção outono/2018 da Miu Miu:
Este artigo da L'Officiel vai lhe informar bem sobre estilos e modelagens. Se você estiver procurando roupas nessa estampa, a Zara costuma ter tudo que é novidade, provavelmente você encontrará muitas peças por lá.

Entretanto, se você prefere um toque mais discreto ao invés do look completo, os sapatos em tartan - aquele xadrez bem invernal inspirado no vestuário escocês - são uma boa pedida.

Esta semana a vitrine da Santa Lolla estava lotada com vários sapatos nessa estampa:
Sapatilhas, R$100 cada - a branca está linda! Com caveira, R$170 - pena que tem o bico muito redondo, isso infantiliza o look Lindo sneaker, uma cor ótima e com um toque de tartan - R$150 Olha essa mochila, que fofa! - R$300 E que tal este slip on? - R$130
Pesquisando em diversas lojas encontram-se inúmeras opções, desde Burberry até Moleca, olha só:
Tênis de couro com detalhe xadrez, Burberry - R$2.650 - na Farfetch

Acima Luiz…