Pular para o conteúdo principal

Kondo / Destralhando o guarda-roupa

Você já leu sobre o método de organização de Marie Kondo? Ela é uma consultora organizacional japonesa, autora de quatro livros que já venderam mais de dois milhões de cópias ao redor do mundo. Atualmente só se fala sobre o Konmari Method nos sites sobre o assunto e, realmente, a visão dela é bem interessante. 
 
Resumo: Marie percebeu que quando escolhia organizar a casa por locais, estes não se mantinham em ordem por muito tempo. Logo acumulavam novas tralhas e aquela organização ideal ia embora. 

Então ela teve a ideia de organizar por categoria. Exemplo: ao invés de arrumar só o armário de roupas do seu quarto, a arrumação ideal seria com toda sua roupa que houvesse na casa, incluindo peças que estão armazenadas em malas, em outros quartos e até mesmo na lavanderia. Com isso espera-se que não hajam "surpresas" escondidas em outros cantos que, depois de um tempo, surjam atrapalhando.

Pensando nisso ela postulou regras simples para essa limpeza:

Dá para perceber claramente que, destas regras, as primeiras seis têm como foco não Organização, e sim, Destralhamento
Esse assunto está sendo cada dia mais discutido, e com razão: nossas vidas se tornaram mesmo um foco de acúmulos desnecessários. Quantos celulares você já teve, ou ainda tem esquecido em alguma gaveta? Quanta roupa de fast fashion compramos simplesmente pela lógica de que "está barato"? Quantos livros estão acumulados sem leitura? E por aí vai...

Olha só: Kondo aconselha a dar tudo o que não é necessário e que não nos traz alegria [spark joy]. Já pensou como temos coisas em nossos guarda-roupas e em nossas casas que se encaixam nesse perfil?

Os sites e blogs de minimalismo batem incansavelmente na tecla: vamos destralhar (declutter) nossa vida e, com isso, dar valor ao que realmente importa e nos faz feliz. E essa ideia muitas vezes repetida, somada aos ensinamentos de Marie Kondo, me convenceram a testar essa nova filosofia.

Então, saindo da teoria e indo para a prática, vou lhes contar como foi o destralhamento do meu guarda-roupa. Se você também se animar, preste atenção:

Importantíssimo! Escolha um dia em que você está sozinha - sem filhos, sem marido, sem cachorro - porque o processo é uma revolução completa e vai requerer toda sua atenção e fôlego.


Resolvido isso, mãos à obra: tire TUDO do seu guarda-roupa. Busque em outros cômodos toda e qualquer peça de roupa sua que esteja estocada fora do quarto e junte tudo numa imensa pilha.

E abaixo transcrevo exatamente o que anotei durante e após a experiência:

"12h00: começa a saga. Tirei tudo dos armários. T-U-D-O. Duas montanhas enormes, uma sobre a cama e outra no sofá próximo.
Colei folhas A4 no espelho e na entrada do quarto, escritas com as metas:
--- Objetivo: DECLUTTER
--- MEUS ESTILOS, para não perder foco [
Dramático/Rocker]
--- Só o que faz o olho BRILHAR
--- Não é Moda, é ESTILO

12h45: Guarda-roupas vazio, partir para a limpeza completa por dentro. Fiquei cansada e suando: fui para o banho.
13h30: Próxima ação, experimentar todas as calças.
14h30: na sequência, vam'bora experimentar camisas e camisetas e malhas (o grupo com mais itens).
16h00: quase terminando a seção de blusas. 

17h00: revendo vestidos, casacos e saias.
18h00: aqui eu estava francamente DESISTINDO. Coloquei as roupas de ginástica, praia, viagens e agasalhos em um baú e não olhei para trás.
19h00: até chegar às 19 horas estive recolocando as peças remanescentes nos guarda-roupas. Não ficou organizado, só coloquei do jeito que dava, pois não tinha mais forças nem inspiração.
No final do processo havia excluído 35 cabides dos armários e duas malas lotadas de roupas."


Aprendizados:
1) Com olhar crítico e olhando no espelho de frente e de costas, ficou mais fácil triar as peças. E ainda fiz um truque: agi como se estivesse em um brechó, escolhendo só as peças que tinham a ver comigo, que ficavam bem.

2) No início do destralhe foi mais fácil escolher as roupas que seriam doadas; com o cansaço se acumulando, essa decisão foi ficando cada vez mais complicada.


Final do domingo e ainda estou me recuperando das sete horas desse projeto. Por um lado foi super revelador: algumas marcas que eu comprava e que eu sempre desejei se mostraram nada a ver com meu estilo real. Algumas peças novas, ainda sem uso, foram descartadas e coisas mais antigas ficaram. Não há padrão, é realmente uma triagem um a um.

Ainda não considero esta vivência como acabada. Além das roupas que ficaram "escondidas" no baú do quarto e que ainda passarão por vistoria, sinto que preciso repassar o que mantive no guarda-roupa olhando, novamente, se efetivamente todas as roupas que ficaram trazem o spark joy esperadoE, da mesma forma, revisar as peças que desprezei no ímpeto do momento, para ver se não cometi algum erro do qual vá me arrepender. 


Advertência [blog de Farmacêutica pode conter advertências, viu?]
Acho que essa limpeza radical só deve ser seguida por quem está efetivamente querendo ter menos itens guardados. Ela não tem nada a ver com aquela limpeza que às vezes fazemos nas roupas, sapatos, bolsas, etc., que visa muito mais excluir o que não serve, não está bom, do que diminuir o guarda-roupa. No meu caso, após um surto consumista gerado por razões meramente psicológicas [não serão todos assim?], me vi com uma quantidade colossal de roupa, sendo que isso passou a me incomodar. Tirar algumas peças pelo método antigo não adiantou nada - fiz isso há um mês e o pouco espaço que ganhei foi prontamente preenchido por novas aquisições. Agora, com um destralhamento RADICAL, pretendo que a conscientização de todo o trabalho e $ aplicados e perdidos fique visível e não dê mais margem a novos ataques de compras.

Conclusão
No meu caso foi imensamente útil aplicar o método KonMari, nunca havia feito organização pensando em destralhe e em minimalismo. Foi revelador e produtivo. Espero ter conseguido só deixar peças que amo, pois isso vai cimentar minha força de vontade para que não caia novamente na armadilha das compras. ...

Comentários

Postagens mais visitadas

Minimalismo por que?

Fui atraída pelo assunto Minimalismo após ler posts de moda que tratavam sobre consumo excessivo e ter ficado refletindo sobre a grande relevância desse assunto. Em seguida me empenhei na leitura de diversos blogs sobre o tema.
O interesse por algo diferente do seu cotidiano não acontece do nada: alguma coisa está mudando em você, ou lhe incomodando, criando a necessidade de transformação, de outro enfoque.
No meu caso, vejo agora, duas correntes complementares causaram isso: meu amor por organização + o desagrado com a maioria das compras de roupas que eu vinha fazendo.
O método da Marie Kondo ajudou a destralhar meu guarda-roupa e escritório. No entanto, ainda falta... Sinto que posso fazer melhor, que há mais a ser retirado das estantes. E a quantidade absurda de roupas que foi removida do armário, muitas delas sem uso, fez com que eu tivesse de encarar de frente que meus hábitos de consumo estavam equivocados [para falar o mínimo].
Ou seja: cansei de lutar para manter a organizaç…

Julho sem Desafio

De uma hora para outra me vi precisando muito de itens que não tinha, e os culpados disso são:
frio!!! Este ano o frio pegou mesmomudança de pesoreposição de lingerie e de camiseta para dormirmãe querendo iPad Depois de constatar o acima, e mesmo sendo as substituições liberadas do Desafio, achei melhor fazer uma pausa para resolver definitivamente tudo o que era preciso.


❄ O frio me pegou de surpresa, descobri que não tinha mais que uma malha de cashmere e as camisetas de manga longa eram fininhas, ou seja: não dava para sobreviver só com isso nesta temperatura baixa -- pelo menos não de uma forma fashion.
Esta época é conhecida pelo look cebola: tudo usado junto, roupa em cima de roupa, na tentativa de se agasalhar ao máximo. Não gosto desse método, muitas vezes as peças não combinam nada entre si e o resultado é, para dizer o mínimo, bem ruim.
Entendem o que digo?
Depois de malhas, outra substituição necessária: calças jeans. Emagreci um pouco e elas ficaram largas na cintura e sobra…

Destralhe digital e real

Que incrível que é mudar os parâmetros que nos acompanharam a vida inteira, não é? Ultimamente só consigo pensar em diminuir meus pertences, exatamente o contrário do que sempre fiz.


Em Maio eu estava aqui reclamando da dificuldade que estava enfrentando para deletar arquivos no computador. Update: O destralhe digital ainda está acontecendo, mas a passos de tartaruga...
São dias e dias focada em textos, em dígitos, sentindo que estou sempre na mesma: o que eu limpei ainda é muito pouco frente ao montante de arquivos.

E acho que foi isso que me fez acordar uma manhã animadíssima para destralhar objetos.
Coisas palpáveis são muito mais fáceis de limpar, e ainda se vê claramente o resultado (ao contrário do digital).


Comecei juntando todos os meus cosméticos e afins, que estavam distribuídos por 4 lugares diferentes (olha só que coisa mais errada! 😱). Sentei no chão com eles e todos passaram por uma inspeção minuciosa:
(i) validade definida pelo fabricante,
(ii) validade do produto dep…

Desafio um ano sem compras - Mar/18

Agora já foram três meses do Desafio e, incrivelmente e sem eu perceber, 1/4 do "um ano sem compras" já passou!

Olha, não vou dizer que está moleza, porque não está: tem horas que eu quase sucumbo à vontade de mandar tudo às favas e levar para casa aquele vestido lindo, ou a saia maravilhosa...

Mas veja bem, eu disse quase
Tenho passado por ondas de desejo nas vezes em que vejo minha irmã experimentando peças em uma loja legal. Daí que eu 'choro, resmungo, esperneio', etc., mas no fim mantenho a carteira fechada e saio de mãos abanando.

A maior conquista deste desafio está sendo conseguir frear o impulso da compra, por mais que na hora isso me deixe abalada.


E sabe, as regras que estabeleci antes de começar o Desafio também ajudaram a diminuir a pressão... Principalmente o item Paetês, que foi muito explorado: comprei camisetas, casaco e sapatos - mas veja bem, é TUDO paetês, item permitido, não houve trapaça.

Outra coisa incrível foi a redução de gastos do cartão d…

Trend Inverno/18: xadrez

Este é o inverno das padronagens xadrezas, olha a coleção outono/2018 da Miu Miu:
Este artigo da L'Officiel vai lhe informar bem sobre estilos e modelagens. Se você estiver procurando roupas nessa estampa, a Zara costuma ter tudo que é novidade, provavelmente você encontrará muitas peças por lá.

Entretanto, se você prefere um toque mais discreto ao invés do look completo, os sapatos em tartan - aquele xadrez bem invernal inspirado no vestuário escocês - são uma boa pedida.

Esta semana a vitrine da Santa Lolla estava lotada com vários sapatos nessa estampa:
Sapatilhas, R$100 cada - a branca está linda! Com caveira, R$170 - pena que tem o bico muito redondo, isso infantiliza o look Lindo sneaker, uma cor ótima e com um toque de tartan - R$150 Olha essa mochila, que fofa! - R$300 E que tal este slip on? - R$130
Pesquisando em diversas lojas encontram-se inúmeras opções, desde Burberry até Moleca, olha só:
Tênis de couro com detalhe xadrez, Burberry - R$2.650 - na Farfetch

Acima Luiz…