Livros do mês

Nos últimos 30 dias li quatro livros no iPad [Air 2], o brinquedinho novo que comprei há pouco tempo e estou adorando. Por ter iluminação própria nos desobriga de ler somente sob abajures ou em locais bem iluminados, o que acaba por permitir maior flexibilidade e, consequentemente, mais tempo dedicado aos livros. #amei


Garota Exemplar
de Gillian Flynn
Tema: No aniversário de cinco anos de casamento de Nick e Amy Dunne, Amy desaparece e seu marido se torna o principal suspeito do que aparenta ser um sequestro violento.

Opinião: Primeiro da lista do iPad, é MUITO interessante. A história inicialmente parece comum e meio clichê, porém há reviravoltas inesperadas, quando você se sente totalmente enganada pela autora. Vale a pena ler.
[Há o filme, de 2014, mas ainda não assisti]


Eu estive aqui
de Gayle Forman
O tema central é a repercussão do suicídio da melhor amiga de Cody, Meg, que se mata ao tomar um frasco de veneno. Sem saber como lidar com as emoções ligadas à essa notícia, Cody se impõe a tarefa de entender o por que sua amiga chegou a isso e, nesse caminho, adentra o mundo dos colegas e conhecidos de Meg.

Opinião: Olha... o livro é beeeem fraquinho. Sabe aquele estilo novelão, em que a antipatia inicial entre dois personagens acaba se tornando um amor lindo? É desses.
Não leria novamente, não recomendo.


A Garota no Trem
de Paula Hawkins
Tema: Rachel viaja todas as manhãs no mesmo trem e sempre observa atentamente as casas e os habitantes próximos ao trecho em que o trem para em um sinal vermelho. Em um dos dias ela repara em uma cena incomum e, posteriormente, descobre que a moça avistada está desaparecida. Isso a faz ir à Polícia e se envolver diretamente na investigação e busca da jovem.

Opinião: Apesar da Saraiva o descrever como "um thriller digno de Hitchcock a ser compulsivamente devorado", não chega a tanto (rs). A história é envolvente, sim, mas há problemas na construção da personagem Rachel. Mesmo assim, considero-o intrigante. Recomendo como distração.


À Procura de Audrey
de Sophie Kinsella
Tema: Audrey é uma adolescente de 14 anos que, após ser vítima de bullying na escola, desenvolve transtorno de ansiedade e episódios depressivos. Vive reclusa em casa usando óculos escuros para não fazer contato visual com ninguém.

Opinião: Apregoado como "um romance inspirador sobre família, primeiro amor e depressão", é na verdade um livrinho infantilóide e simplista. A autora trata a depressão e o transtorno de ansiedade como algo que melhora magicamente dependendo da situação vivida pela personagem. Está namorando? Ótimo, já melhorou.
Gente, quem já viu casos dessas doenças sabe que isso é má literatura por passar a imagem de que a cura está na disposição do indivíduo, não no tratamento medicamentoso e psicológico. Sim, a personagem está indo à psicóloga e está tomando remédios, mas não é isso que lhe dá o ponto de virada para uma vida mais normal: é a influência do novo amigo/namorado.

Conclusão: você já passou da adolescência? Sim? Então NÃO LEIA.


Completando, um livro (em papel) que li há alguns meses e não havia resenhado ainda:
Um brinde a isso
por Betty Halbreich
É a autobiografia da autora, que conta desde sua infância, casamento, sua vida na alta roda de New York dos anos 50 e, posteriormente, a derrocada de tudo que ela prezava. Com 50 anos decide trabalhar e inicia uma carreira de vendedora na Bergdorf Goodman, tradicional loja de departamentos nova-iorquina. Logo é alçada a personal shopper, uma função inédita na loja, e alcança tanto sucesso que está lá até hoje, distribuindo conselhos francos a todos que a procuram.

Opinião: O livro é bem interessante, a vida dela quando moça é algo tão surreal para quem não viveu nesse tempo e nem é bilionário, que parece filme. Depois de um tempo o livro foca-se no seu trabalho na BG e nos inúmeros desafios que enfrentou. Há muita informação de moda, muitas ideias sobre o mundo da moda atual.
"As roupas, que agora giram em torno de tamanhos mínimos (diferentes dos tamanhos das mulheres reais), vão ficando cada vez menores. O que antes era tamanho 42-44 agora é 38-40."
Gostei. Se você curte moda e biografias, leia.   ;)

Comentários