Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2016

Minimalismo por que?

Fui atraída pelo assunto Minimalismo após ler posts de moda que tratavam sobre consumo excessivo e ter ficado refletindo sobre a grande relevância desse assunto. Em seguida me empenhei na leitura de diversos blogs sobre o tema.
O interesse por algo diferente do seu cotidiano não acontece do nada: alguma coisa está mudando em você, ou lhe incomodando, criando a necessidade de transformação, de outro enfoque.
No meu caso, vejo agora, duas correntes complementares causaram isso: meu amor por organização + o desagrado com a maioria das compras de roupas que eu vinha fazendo.
O método da Marie Kondo ajudou a destralhar meu guarda-roupa e escritório. No entanto, ainda falta... Sinto que posso fazer melhor, que há mais a ser retirado das estantes. E a quantidade absurda de roupas que foi removida do armário, muitas delas sem uso, fez com que eu tivesse de encarar de frente que meus hábitos de consumo estavam equivocados [para falar o mínimo].
Ou seja: cansei de lutar para manter a organizaç…

Miami & consumo

Olá! Voltei de viagem com várias ideias e projetos na cabeça, como se só agora meu ano realmente estivesse começando. Os dez dias em Miami foram muito úteis para, numa realidade diferente do dia a dia, pensar sobre consumo e o que quero fazer a esse respeito.
Miami é linda, uma cidade que vale a pena ser visitada pela sua arquitetura, urbanismo, museus [em particular o Villa Vizcaya], mas que normalmente é relacionada somente como um destino de compras devido a seus inúmeros shoppings e outlets.  Claro que há um apelo para compras: veja o Sawgrass Mills [foto], considerado o maior outlet da Flórida e o segundo maior do mundo -- não dá para ignorá-lo.
No entanto, passear por seus corredores lotados de pessoas apressadas e empenhadas a chegar à próxima loja e à próxima compra, me deu um momento de clareza quanto à loucura de tudo aquilo. Impossível que todas aquelas compras estivessem sendo feitas por necessidade, com discernimento. Tudo emanava muito consumo, muita oferta, muito gasto …

Sete livros

Entre dezembro e hoje li sete obras de duas autoras.

Nora Ephron Norte-americana e contemporânea, foi escritora, roteirista, diretora e produtora de cinema. Nora Ephron assinou cerca de 15 filmes entre os quais "When Harry met Sally", "Michael - um Anjo Sedutor", "Mensagem para Você" e "Julie & Julia".
Em "O Amor é Fogo" ela relata a história de Rachel que, grávida de 7 meses, acaba de descobrir a infidelidade do marido, que proclama estar apaixonado por outra. A história poderia ser uma tragédia mas é quase comédia. Ela escreve de forma leve e consegue contar episódios engraçados que me arrancaram boas risadas. 
Mas o melhor você não sabe: a história é real e aconteceu com ela mesma!

Sandália da vez

Incrível como sempre há alguma peça que é alçada a item fashion do momento. A WhoWhatWear publicou a chamada  The Heels You'll See Everywhere This Year  [Os saltos que você vai ver em todos os lugares este ano] referindo-se à sandália de Tamara Mellon, com três tiras finas, 10,5cm de altura e onde parte dessas tiras são em plástico transparente. Não sei vocês, mas eu detesto sapato que tem plástico - qualquer plástico - ainda mais transparente. Com esse não foi diferente: dê uma olhada nas fotos abaixo, onde os mal-acomodados dedinhos dos pés parecem estar escapando da sandália, devido à transparência.  Dica: isso NÃO está elegante
Se alguém achou bonito, a má notícia é que essa preciosidade plástica custa US$595, fora taxas.

Que sandálias de tiras são consideradas clássicas e elegantes, já sabemos. São, também, as piores para se calçar - quanto mais finas as tiras, maior a dor. Acho triste a "sandália do ano" ser esta. Muita gente vai se martirizar para conseguir usar u…

Gordofobia

Eu tive gordofobia. Durante toda minha vida fui magra [desejando sempre ser MAIS magra] e olhava as pessoas gordas como quem pensa: "- Por que tão espaçosa? Por que tão mal vestida? Por que sempre suando? Que desagradável!!!" O caso é que, recordei subitamente e com uma clareza incrível, isso foi me ensinado pela minha mãe na minha primeira infância. Lembrei de nós duas dentro do mar do Guarujá, ela me cutucando e falando:

     - "Olha lá, olha lá!"
     ao que, com minha ingenuidade de criança, aliada à enorme miopia, falei em voz alta:
     - "Olhar o quê? A gorda?"

Era uma mulher realmente muito gorda, em maiô, aproveitando as ondas como nós.   Minha mãe disfarçou como pode e eu ainda hoje me lembro do olhar da mulher, desconfiada.

     Foi esse tipo de "julgamento de valor" que me foi passado por minha mãe. Além de que "Aos 40 a vida acaba" e "Aproveite enquanto é jovem, porque depois...".

     [E sabe, passei minha vida in…

Belíssimas joias de Laura Pierson

O site Moda Operandi traz diariamente novidades do mundo do design, sejam elas roupas, acessórios, joias. É tudo irrealisticamente caro e inacessível, mas a visita vale pela beleza que se vê nessas páginas.
A descoberta desta semana é a designer Laura Pierson que faz suas joias em materiais não convencionais, com visual final único e deslumbrante. Diz o site:
"Minerais. Rochas. Fósseis. A designer baseada em Dallas dá destaque a materiais não encontrados tipicamente em alta joalheria, para uma coleção naturalmente bela de pendentes, brincos e cocktail rings. Únicas como os próprios materiais usados, cada peça nunca é replicada ou reproduzida, permanecendo como um trabalho de arte exclusivo."
Olha que diferente: normalmente as joalherias buscam pelas pedras mais puras e uniformes. Ela usa o oposto, com resultado tão ou mais belo que as tradicionais. E possuir uma joia única, que ninguém mais no mundo tem igual, é algo de significado muito especial. Quem não amaria uma dessas? …

Minimalismo: precisamos disso

Volta e meia eu bato na tecla do "agora que a gente tem +50 e pode comprar tudo que quer, não fica bem com nada", e variações sobre o mesmo tema.  :) Pois bem, há uma outra forma de olhar isso: e se passarmos a ver que temos demais e que podemos nos contentar com menos?
É o exercício proposto pela corrente Minimalista e, cada vez mais, me convenço que ela está com a razão. Será que precisamos mesmo de cinco camisetas listradas? Ou dez calças jeans? Trinta sapatos?
A ideia é se perguntar sempre: "Eu preciso disso?"
"Eu posso viver sem isso?"
Acredito que esse movimento está crescendo como um contraponto aos excessos que estivemos vivendo ao longo dos últimos anos, quando todo mundo comprava tudo que as top blogueiras vestiam e o 'sonho de consumo' era ter um closet abarrotado como o das famosas.

Só que tanta roupa descartada para dar espaço a novos itens gera um exagero de lixo; e tanta produção de novas roupas causa poluição dos rios, devido aos p…

NÃO PUBLICAR - Não posso mais sonhar

Estava admirando a belíssima coleção Carolina Herrera pré outono-inverno 2016/17 neste link e me encantei por este vestido longo em preto e azul. Porém, após o primeiro momento UAU, veio o gosto amargo da constatação de que nunca poderei usar algo assim. Que a Moda produz sonhos que não posso mais sonhar, pois não tenho mais esse corpo com cintura de pilão, braços finíssimos, IMC 18.
Envelhecer tem um lado ótimo: sua vida está equilibrada, não há grandes dúvidas a sanar, a liberdade é total. 
Para quem gosta de Moda, no entanto, é uma época deprimente. Você passa a não vestir bem a modelagem padrão das lojas. Alguns itens têm que ser riscados da lista de compras porque não ficam bem em alguém com mais idade [babados, rosa choque, cropped, shorts, etc.]. Você finalmente tem o capital para comprar o que quiser - mas as roupas realmente especiais não lhe servem.
A Moda, para mim, sempre foi um lugar onde a beleza podia imperar, como na fantasia de tecidos maravilhosos e criações inspir…

Warrior woman

O "mulher guerreira" refere-se a uma coleção magnífica da estilista Alena Akhmadullina, que inspirou-se no Império Mongol do século XII, transformando antigas armaduras em roupas para empoderar as mulheres. Lindo!
Foto Moda Operandi
A textura deste primeiro overcoat lembra uma armadura; as cores são sóbrias mas ricas, com muito shantung e detalhes em pele (infelizmente, verdadeira).
Novamente a textura de armadura. Como algo tão bruto ficou com essa leveza e beleza? O casaco longo tem aplicações de pele; o bordado do traje central é simplesmente estonteante! E aqui uma saia-sonho em chiffon; e pantalonas se apresentando com grandes volumes.
Um título duplo Escolhi começar 2016 com o título Warrior Woman tanto pela coleção acima, que nos enche os olhos e mostra como a moda pode trazer sonho e beleza, quanto como uma homenagem a todas as mulheres, guerreiras em nosso esforço diário de sermos cada vez melhores. 
E como começo de ano é época de decisões e metas, desejo a todas v…