Gordofobia


Eu tive gordofobia. Durante toda minha vida fui magra [desejando sempre ser MAIS magra] e olhava as pessoas gordas com aquele 'nojinho' que pensa: "- Por que tão espaçosa? Por que tão mal vestida? Por que sempre suando? Nossa, que desagradável!!!"
O caso é que, recordei subitamente, isso foi ensinado pela minha mãe na minha infância. Lembrei de nós duas dentro do mar do Guarujá, ela me cutucando e falando:
"- Olha lá, olha lá!"
ao que, com minha ingenuidade de criança, aliada à enorme miopia (rs), falei em voz alta:
- Olhar o que? A gorda?"
Era uma mulher realmente muito gorda, em maiô, aproveitando as ondas como nós.  
Minha mãe disfarçou como pode e eu ainda hoje me lembro do olhar da mulher, desconfiada.

Foi esse tipo de "julgamento de valor" que me foi passado por minha mãe. Além de que "aos 40 a vida acabou" e "aproveite enquanto é jovem, porque depois...". 
Como m/mãe é uma doente crônica de depressão, só me resta relevar tudo isso e mais mil outras coisas desagradáveis, falhas e inadequadas da minha criação. 
[Sabe, passei minha vida inteira temendo ir à praia para não ser julgada também].
Enfim...

Porém, hoje EU sou a gorda [IMC 26]. Hoje eu me olho com a desaprovação que já dei a outros. As roupas não caem bem, fico horrível nas fotos ["uma leitoa", eu diria agora mesmo, caso não tivesse lido um post recriminando por nos tratarmos assim]. ;)

O blog do post em questão é o Não Sou Exposição. Muuuuuito legal! Vale a pena parar um pouco a rotina e ler os textos, um por um, sempre bem pensados, críticos e claros.
Um teaser:
 

E sabe de uma coisa? Após ler e ler, e aos +50 anos, eu não tenho mais vontade de me submeter a nenhuma restrição visando ficar mais magra. Acho que não compensa. Que minha vida está boa da forma como estou. E que se não for por questão de saúde (por enquanto não é), não vou esquentar a cabeça com isso.

Nós realmente não devemos ser julgados por algo tão aleatório como aparência externa. O reais Valores das pessoas estão em atitudes que desenvolvemos e nutrimos a vida toda, como honestidade, paciência, sabedoria, etc.

Isso posto, convido todas as entas maravilhosas a igualmente mudarem suas percepções de corpo e deletarem a exigência de se encaixarem em um padrão para, simplesmente, serem felizes hoje, como são.

Comentários