Otimismo nos mantém sãos

Sempre fui uma pessoa otimista por absoluta convicção de que esse é o melhor, senão o único caminho para nos mantermos firme, fortes e saudáveis. Ser otimista não significa negar a descrição da realidade, desconsiderar os riscos ou subjugar os perigos, claro que não; isso me parece mais ingenuidade de uma determinada categoria que a esta altura da vida não me permito ter.

Otimismo talvez seja uma predisposição interna de olhar a vida com bons olhos. Não digo tratar-se de uma tendência inata, pode ser que algumas características  genéticas facilitem, ou o modelo que tivemos dentro da família, mas nada parece ser mais determinante do que uma dose imensa de fé e boa vontade. Quando falo em fé não estou me referindo a nenhum sistema de crenças em particular, tão pouco a vinculo ao conceito de uma divindade. Nesse aspecto fé tem um significado de observar o milagre da vida que ocorre initerruptamente, de constatar que nosso corpo físico tem um funcionamento preciso assim como todo o Universo, que parece manter-se sabiamente dentro de um suposto propósito.

E boa vontade de reunirmos o melhor da diversidade da qual somos constituídos, seja na inteligência, na paciência, na intuição, na garra, na coragem, na criatividade, na generosidade e na disposição de partir da matéria bruta e lapidar o que for necessário para que o resultado final seja de boa qualidade. E é de bom tom ressaltar que boa qualidade não tem a ver com perfeição, uma vez que esta é uma utopia.
E não há para mim melhor possibilidade de compreender o que é utopia do que através da definição de Eduardo Galeano, que nos presenteia com esta delícia de imagem: 
“A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso; para que eu não deixe de caminhar.”
Meu conselho para você? Não pare nunca!
 _________________________________________________________________________________________

Texto de Ana Amorim: Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos.

Comentários