Me vi te vendo

Tenho o privilégio de ser terapeuta e estar em contato permanente com a mais variada gama de emoções da qual é constituído o universo humano. Considero privilégio porque, evidentemente, o outro que está na minha frente representa um aspecto meu, somos trama do mesmo tecido, somos feitos do mesmo material.

Para olhar o paciente tenho antes ou simultaneamente que olhar para mim mesma. Para dimensionar a dor alheia é imprescindível compreender a minha dor; para acolhê-lo tenho que acolher e aceitar minha natureza com todas as contradições inerentes a esta condição humana.
 
Assim é no processo terapêutico e na vida. A possibilidade de estarmos vinculados ao outro pressupõe um vínculo conosco, com o nosso eu interior.

Vivenciamos conflitos, somos personalidades que buscam a integração de suas nuances mais dissonantes, andarilhos pelos caminhos de sucessos e fracassos. Às vezes conseguimos um acordo entre nossas partes, outras vezes não. E haja resiliência para tantas frustrações e carência de harmonia.

Aceitar as próprias dificuldades e limitações não significa passividade, mas o aprimoramento da tolerância e da determinação. Tolerância com nós mesmos diante do que ainda não conseguimos ser e determinação para buscar o que desejamos nos tornar.

Trocar a constante observação do comportamento alheio pela auto-observação tende a ser uma boa escolha. O que me incomoda tanto no outro tem a ver com o que incomoda em mim e eu tenho dificuldade em olhar. O outro que eu considero um antagonista é, de fato, um aliado que me ajuda a sair da zona de conforto e me coloca em contato com o que evito. E o que evito me impede de crescer.

Enquanto sociedade vivemos um momento de grande intolerância aos pensamentos divergentes dos nossos, estamos divididos em grupos que disputam a apropriação da suposta verdade. Que verdade?? Isso me remete aos versos de Caetano em Sampa:
                         
“É que Narciso acha feio o que não é espelho”

 ___________________________________________________________________________________

Texto de Ana Amorim: Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos.

Comentários