Ser Blogueira

Ao contrário do que possa parecer inicialmente, blogar requer comprometimento, uma boa dose de organização e muita, muita leitura. Eu amo o que faço, estou sempre tentando melhorar -- gostaria, por exemplo, de escrever de forma mais casual. Porém, aparentemente sou uma pessoa muito formal para ter essa qualidade de empatia pura através de palavras. Eu "me leio" e está tudo correto... mas correto demais, se você me entende...
Mas vamos ao que importa: como é ter blog como atividade? Prá começar, a gente tem a liberdade de fazer o próprio horário e, se por um lado não há hora para iniciar os trabalhos, também não há hora para terminar [acaba quando termina, sabe assim?]. Como não sou uma pessoa matutina, prefiro ficar na cama até mais tarde e trabalhar direto à noite, no silêncio e no escuro.  #amo

Para mim o Bloglovin' é ferramenta imprescindível: todos os assuntos que me interessam estão ali, a um clique, para informação, pesquisa e leitura. O problema é que atualmente os interesses são muitos, os blogs seguidos são mais numerosos ainda e, se eu perco um ou dois dias sem me atualizar, o acúmulo de posts a ler é tão grande que me sinto aos pés do Everest, olhando para aquela imensidão e me perguntando se, algum dia, conseguirei escalar a montanha. 

E como informação hoje em dia é algo que perde a validade muito rápido, às vezes eu simplesmente suspiro e desisto dos posts antigos, mesmo sabendo que poderia haver ouro por ali. Mas, com diz meu filho, se houver algo realmente importante, vai aparecer novamente. E com esse pensamento eu sobrevivo.

Caso não opte pelo Bloglovin', abro o Twitter. Adoro o Twitter, como é ágil, rápido, direto ao ponto. O que me obriga a falar sobre outra mídia: Facebook. Não tem jeito, já tentei de tudo mas não desce. Acho invasivo, cheio de conteúdos que não me interessam a mínima, além de ser uma ferramenta muito carente: você está sempre precisando reforçar alí, com seus "likes", que aprecia os amigos, que viu a última foto, etc. Não tenho paciência. [aliás, sabem se dá para cometer facebookcídio? To querendo...]

Desde março tenho duas amigas escrevendo também no blog, o que é ótimo: os assuntos ficam mais variados e há dias em que posso prescindir do meu texto. Em todos os posts o trabalho de formatação, ilustração e publicação ainda é meu, porque o blog é meu bebê e eu amo trabalhar nele. 
O que me leva a um assunto difícil: as fotos. Todo blog autoral costuma contar com fotos de look do dia, ou de armário-cápsula, e por aí vai. O problema é que não sou da geração selfie, não gosto de me fotografar e, para falar a verdade, não gosto de fotografar, ponto. Sim, eu sei que faz falta. Estou lutando contra minha resistência a pegar algo maior que um celular para tirar fotos...

A parte boa é realmente escrever. O usual é eu fervilhar de ideias, pensar "preciso falar sobre esta novidade, preciso falar sobre esta ideia" mas, me envergonho em dizer, muitas coisas não saem do mundo do pensamento para o papel.
Porque post precisa de um certo tempo de gestação, de amadurecimento, o assunto precisa me empolgar para não ficar aquela coisa sem sal, sem alma. E algumas coisas, mesmo sendo interessantes, às vezes não mexem comigo o suficiente para eu pesquisar fotos, lojas, preços. {Brincos extra-grandes são um exemplo. Estou reunindo material há tempos, sei que daria um post legal, mas o danado não sai.}

E é isso! Espero que estejam gostando desta nova fase do Blog, com posts diários e diferentes autorias. Qualquer sugestão, deixe nos comentários, ok? Vou adorar ler.

Comentários