Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2016

Lindezas da semana

Às vezes encontramos fotos tão especiais que valem a pena um post-inspiração. Olhem só estas bonitezas:

Colares Camila Klein completando lindamente a camiseta listrada.
Vontade de montar exatamente esse conjunto, ficou tão harmônico!  Conjunto Sacada de bijoux com formas de besouro. #amo  Roupa-conceito do design Han Wen: impressionante  Falando em roupas, que tal uma bomber de paetês? Esta é da ASOS. Proenza Schouler mais uma vez criando bolsas-desejo maravilhosas! Adoro esse tom de vermelho Oxford de onça. #quero Foto da Schutz Onça e turquesa da Tatiana Loureiro. Diferente de qualquer outro sapato  Os links estão aí, caso vocês se animem a correr atrás de alguma dessas belezas.  :)

E hoje se inicia a venda da coleção Joulik para CeA, com previsão de muitos bordados e paetês.
A minha peça-desejo da coleção é esta jaqueta jeans bordada em azul e verde:

Custo: R$250. Mas nem irei às lojas procurar: a jaqueta é muito marcante
e vai ter tanta gente vestida igual, que já desisti. E vocês,…

Perfeição e coragem, o que é de quem?

Reshma Saujani é uma americana de 40 anos, advogada, política e fundadora de uma organização chamada Girls Who Code, cujo objetivo é ensinar garotas a fazerem programação em tecnologia, capacitá-las a entrar nesse mercado de trabalho predominantemente masculino. Vocês já pararam para pensar o porquê desse mercado contar com tão poucas mulheres?

Segundo Reshma a resposta é simples e baseia-se na maneira como as crianças são educadas (leia-se condicionadas). As meninas são educadas para serem perfeitas e os meninos são educados para serem corajosos. Para ver esse TED, clique aqui
A programação é um processo de tentativas e erros, requer perseverança, ausência de medo em se expor, em se mostrar imperfeito, em tentar inúmeras vezes até conseguir. Não acertar e continuar tentando parece ser um desafio para os homens e um indício de fracasso para as mulheres; o que Reshma propõe é que se ensinem as meninas a serem corajosas, destemidas, a se arriscarem.
Não sei pra você, mas pra mim faz sentido…

O tempo de que dispomos

Final do dia. Invariavelmente, me pergunto se fiz bom uso dele. É a grande questão. Como vivi essas horas que me foram dadas?
Para mim, um dia bom precisa ter movimento, alguma atividade física, por leve que seja. Não é necessariamente fazer uma aula de ginástica. Pode ser trocar plantas de lugar, mexer nos armários, enfim, qualquer atividade que não seja feita sentada e que me dê prazer.
Deve ter algum aprendizado. Um texto, um livro apaixonante, um filme ou documentário me fazendo colocar os eventos do dia a dia em perspectiva. É como abrir a janela e perceber novas paisagens. Ah, o novo! Houve algo novo neste dia? Ou foi a repetição do mesmo dia da semana passada, do mês passado, do ano passado...
Meu lado “militar” exige o cumprimento das obrigações, de ter pendências resolvidas. É delicioso riscar objetivos realizados da minha lista. Mas, há sempre tanto para ser feito! A criatura angustiada que vive dentro de mim esperneia! Quando vou me deitar, repasso os eventos e procuro ser ca…

Você sabe com quem está falando?

Mário Sergio Cortella, filósofo, professor, escritor, em uma de suas deliciosas palestras nos coloca diante dessa máxima: Você sabe com quem está falando? Isso me remete ao livro “Os Quatro Compromissos” onde um dos tópicos refere-se à auto-importância.
Quantas vezes já não nos sentimos ofendidos em nossa “grandeza” e, se não verbalizamos, ao menos pensamos: Esse indivíduo na minha frente não sabe com quem está falando! Ou, de um modo mais corriqueiro, ‘quem você pensa que é para falar comigo desse jeito?’. Isso pressupõe que o outro ainda não percebeu que eu estou muito além dele, sou mais do que ele e, portanto, ele não pode falar comigo assim.
Nem precisamos ir muito longe, mesmo dentro do nosso ambiente familiar às vezes nos colocamos dessa forma, tanto com o companheiro como com os nossos filhos. Em situações nas quais nos permitimos ficar irritados, prontamente o ego sobe no salto e desafia o nosso interlocutor. E quando isso acontece, a razão que supostamente poderíamos ter, esc…

Dieta

Fazer dieta é igual a se privar, certo? Errado. Uma boa dieta implica em escolha consciente.
É claro que não há nenhuma alegria em olhar cada alimento como uma ameaça ao peso ideal. Adorar doces e não poder comê-los, ou fazê-lo com culpa, é uma experiência frustrante. A noção de "eu quero, mas não posso" é sempre desagradável.  Mas, e se, ao invés de contar calorias, pensar nos quilos a mais ou a menos, nós contássemos energia? Que tal experimentar comer a salada e observar como o seu corpo se sente, quanta disposição você tem? E qual é a sensação após uma feijoada completa no almoço de quarta-feira? Qual das duas refeições dá maior vitalidade? Essa auto-observação é um caminho para um viver consciente e prazeroso. Eu não escolho os alimentos apenas porque são "gostosos", mas porque me proporcionam a possibilidade de viver melhor. Então, fica a pergunta: haverá escolha pior que se privar... de saúde? _____________________________________________________________…

Detox

"Tudo o que é bom faz mal ou engorda."
Quem é que não ouviu (ou disse) essa frase enquanto comia um pedaço suculento de pizza ou um doce?

A verdade é que detestamos nos privar dos sabores agradáveis, das guloseimas. É fato. Eu fazia parte do time. No entanto, 21 dias de detox propostos por Dr. Miles Reid, do "Being Energy", mudaram minha visão das coisas.

A experiência foi bem radical: sem carnes (apenas peixe, se fosse o caso), sem leite ou derivados, sem trigo ou glúten, sem cafeína e sem açúcar. Deveríamos consumir frutas, verduras, legumes e grãos, priorizando alimentos integrais e orgânicos.
Os primeiros dias foram, obviamente, os mais difíceis. Mas depois, a sensação de alívio foi surpreendente. Eu quase podia ouvir meu corpo me agradecendo por lhe dar um descanso. Ufa!

Emagrecer foi um resultado bem vindo. Entretanto, a verdadeira surpresa veio da leveza mental: as preocupações repetitivas que ocupavam meus pensamentos simplesmente desapareceram. Ser feliz fi…

Modelo aos 68 anos

Olha que notícia deliciosa: uma mulher de 68 anos acaba de assinar contrato com a Agência IMG Models. Maye Musk é modelo desde os 15 anos e suas recentes fotos para a W Magazine estão lindas.
Esta primeira é minha preferida:
Ela tem mesmo pose de modelo e a vantagem do rosto não mostrar os sinais típicos da idade [aka, contorno sem definição]. E os cabelos brancos totalmente assumidos dão um charme especial. Muito bom saber que há vida após passarmos dos 50! :D Para ver outras fotos e ler sobre ela clique aqui e aqui.  Inspirador

Mais diversão nos acessórios, please!

Adoro bolsas e sapatos que saem do convencional, que são diferentes e lúdicos. Uma sapatilha preta é clássica, atemporal e vai bem com qualquer roupa. Mas um sapato coloridíssimo e cheio de estilo, por outro lado, tira do lugar comum até um simples jeans com camisa branca. Idem para as bolsas não usuais. E a moda tem sido pródiga em criar acessórios divertidos, olha só:

A maravilhosa bolsa Chanel "filmadora de rolo"  #muitoluxo E a Chanel disco de vinil  ;) Fendi bug slip-on [APAIXONEI pelo monstrinho ranzinza!!]  Já Chiara Ferragni fez doces sapatinhos e bolsas com olhos piscantes E especial para nós, farmacêuticas, estas bolsinhas-medicamentos. #Amei São da Sarah's Bag em colaboração com a psiquiatra Samantha Boardman. Urania Gazelli, designer grega, fez estas bolsas acrílicas em vários "sabores" de TicTak  E nas sandálias há incontáveis modelos coloridos e cheios de influência étnica Ou, simplesmente chiques: vide a Fendi multicolorida abaixo

Convenhamos…

O imponderável

Há semanas que, quando terminam, dá vontade de comemorar por temos sobrevivido físico, emocional e mentalmente!! Claro que há nisso um exagero, mas um pouquinho de drama às vezes é permitido, desde que seja leve e acompanhado de bom humor. Sempre nos imaginamos pilotando nossas vidas, no comando e no controle, e a rotina é corresponsável por esse devaneio. Lembram-se da musica “Cotidiano” de Chico Buarque? Todo dia ela faz tudo sempre igual me sacode às seis horas da manhã, me sorri um sorriso pontual e me beija com a boca de hortelã.
Pois é, se por um lado a rotina sugere uma certa dose de tédio, uma repetição, por outro ela está aí para insinuar que está tudo ok, que a vida segue dentro da ordem estabelecida e conhecida, que a ansiedade e a angústia podem tirar um cochilo, afinal, está tudo sob controle, já sabemos o que vai acontecer e como vamos agir dentro disso. Só... que não!
Uma rajada de vento muda a paisagem e nos coloca de frente ao imponderável, ao que não estava previsto, …

Inspirando na Chanel

Chanel é aquilo: tem um DNA inconfundível e sempre apresenta um espetáculo em seus desfiles. Este ano sua coleção Resort foi desfilada em Cuba e não foi diferente: um show garantido. Muitos looks inspiradores e por isso acho que vale a pena dar uma olhadinha em alguns selecionados. Olha só:

As pérolas continuam em alta e gostei demais dos sapatos baixos estarem sendo priorizados: sandalinhas e oxfords.
Vestido bordado, em comprimento midi, e sandália de pérolas estilo chinelinho
O casaqueto de tweed típico da Maison, aqui com barra desfiada. Lindo! Usado sobre vestido leve e estampado, e rasteirinhas. Inspiração Chanel para usar o casaco militar, camiseta listrada e jeans que todas temos no armário:  com broche grande, muitos colares compridos e cinto/lenço largo na cintura. E viu como o jeans está com barra mais curta? Conjuntinho. Habitualmente não gosto desse estilo, mas este não está lindo? Outro blazer com calça de cor semelhante, barra dobrada, oxford e complementado com um toq…

As críticas feitas ao Método KonMari

Como em um mesmo dia li duas críticas ao método de destralhamento e organização de Marie Kondo, ficou claro que está havendo uma facção contrária à numerosa corrente que a aprova e admira.

Um post diz que o método KonMari não faz a pessoa se tornar minimalista. E a explicação é que se você opta por guardar o que faz seus olhos brilharem, pode guardar muito mais coisas além do que seria estritamente necessário e essencial para sua vida.
O outro[a foto acima é desse artigo] é ainda mais incisivo e seu link diz ser "anti-marie-kondo-joy-of-clutter". Neste caso, a autora defende não haver nada de errado em termos quartos cheios de relíquias e peças colecionáveis. E ironiza ao dizer que o processo proposto pela japonesa de se agradecer aos objetos antes de doá-los chegou a um nível acima na antropomorfização.

Não sou advogada contratada para defender a Kondo e seu método [risos], mas me senti impelida a escrever porque não concordo com nada disso acima.

Ambientes ou armários abar…

Os quatro compromissos

Don Miguel Ruiz é um autor mexicano, professor dos ensinamentos toltecas. A cultura tolteca é o legado deixado por uma civilização pré-colombiana que dominou grande parte do México entre os séculos X e XII e que conservou a sabedoria dos seus antigos ancestrais. Don Miguel Ruiz, descendente dessa tradição, é o autor do livro “Os quatro Compromissos”, onde expõe de uma forma muito simples e objetiva quatro pressupostos que nos auxiliariam a quebrar a ilusão na qual estamos todos imersos em relação ao mundo em que vivemos. Segundo ele, vivemos um sonho que não é nosso, mas coletivo, e que alimentamos através do medo e da negação. Desta forma conduzimos nossas vidas no sentido de agradar aos outros e fazer o que esperam de nós, e assim nos afastamos de quem realmente somos e abrimos mão do nosso poder pessoal. Esses quatro compromissos tem por objetivo nos ajudar a recuperar o poder pessoal e a clareza, e certamente representam o caminho para a liberdade interna, a percepção da verdade e…

Os convites do Espírito são sempre sutis

Carlos Castaneda, antropólogo, tornou-se seguidor das tradições xamânicas dos índios yaqui, norte americanos. Narrou suas experiências em 12 livros fantásticos que trazem uma visão ampliada do mundo e da realidade. Ele tinha um total compromisso com a Vontade, o Intento.
Atenção: aqui não estamos falando da nossa velha conhecida vontade de dormir, de comer chocolate, de viajar, etc.
A Vontade à qual Castaneda se refere é parte da nossa natureza completa, vem do nosso corpo energético, nossa parte que nos permite acessar conhecimentos mais elevados do que aqueles que acreditamos ter.
A Vontade-Intento se manifesta de maneira curiosa. São solicitações, oportunidades que percebemos quando estamos em um estado de não-resistência, quando seguimos o fluxo da energia. São coisas que parecem pequenas no início, mas que podem mudar o curso da nossa vida.
“Os convites do Espírito são sempre sutis”,dizia ele.
Se estivermos aferrados a velhos padrões de pensamento, se não estivermos energeticamente…

Kindle Unlimited da Amazon

Sempre pensei que jamais me renderia aos e-books... A sensação de ter o papel entre os dedos me parecia insuperável. Afinal, é fantástico abrir um livro novinho e inspirar aquele perfume de tinta de impressão!
Mas, apesar disso, tive que dar o braço a torcer: ler no iPad é confortável e prático por demais.

No momento estou lendo vários títulos diferentes, trocando entre eles com um simples comando, ao sabor da vontade da hora, e essa liberdade de ter tudo à mão em um lugar só é muito boa.
Compro meus e-books na Amazon, que tem preço bom e entrega super confiável e instantânea. Devido a isso me filiei ao programa Kindle Unlimited da Amazon - se você ama livros isso pode lhe interessar. Já conhece?

Por um custo de R$19,90 mensais você fica sócio desse "clube do livro digital" que disponibiliza mais de um milhão de títulos para serem baixados no seu leitor de texto preferido.

O empréstimo máximo é de 10 livros baixados. Dessa forma, passando de 10 itens você tem que devolver al…

Onde você coloca o seu olhar?

Nos últimos tempos as circunstâncias que temos vivido enquanto Nação não nos traz tranquilidade, muito pelo contrário. Parece que estamos navegando em águas turbulentas, balançamos de um lado para o outro e, não raramente, nos sentimos à deriva, sem saber se haverá um porto seguro onde poderemos atracar. Diante dessa situação caótica parece não haver muitas escolhas a serem feitas, mas isso não é necessariamente verdade. Imagine-se entrando em um espaço que está passando por uma reorganização: não precisamos ir muito longe, vamos pensar naquele dia em que decidimos colocar abaixo nosso armário de roupas e espalhamos as peças pelo quarto inteiro. Não dá vontade de chorar? Em um primeiro olhar focamos na bagunça generalizada, parece que nunca conseguiremos resolver aquela situação e o desejo é bater a porta e sair correndo.
Mas de nada adianta esse impulso porque sabemos que teremos que voltar e colocar tudo em ordem, portanto, é melhor encarar. Para isso é necessário abstrair o caos para…