Os quatro compromissos


Don Miguel Ruiz é um autor mexicano, professor dos ensinamentos toltecas. A cultura tolteca é o legado deixado por uma civilização pré-colombiana que dominou grande parte do México entre os séculos X e XII e que conservou a sabedoria dos seus antigos ancestrais. Don Miguel Ruiz, descendente dessa tradição, é o autor do livro “Os quatro Compromissos”, onde expõe de uma forma muito simples e objetiva quatro pressupostos que nos auxiliariam a quebrar a ilusão na qual estamos todos imersos em relação ao mundo em que vivemos. Segundo ele, vivemos um sonho que não é nosso, mas coletivo, e que alimentamos através do medo e da negação. Desta forma conduzimos nossas vidas no sentido de agradar aos outros e fazer o que esperam de nós, e assim nos afastamos de quem realmente somos e abrimos mão do nosso poder pessoal. Esses quatro compromissos tem por objetivo nos ajudar a recuperar o poder pessoal e a clareza, e certamente representam o caminho para a liberdade interna, a percepção da verdade e do destino pessoal.

Primeiro compromisso: Seja impecável com a sua palavra.

A palavra é sem duvida um instrumento de poder, e deve ser usada a serviço da verdade. Segundo ele é o poder que todos nós possuímos de nos expressar, comunicar, pensar e, portanto, de criar os eventos em nossas vidas. Se atentarmos para esse fato rapidamente nos daremos conta de como uma palavra pode levantar ou derrubar alguém, criar uma atmosfera de guerra ou de paz. Ser impecável com a palavra significa estar consciente e conectado consigo mesmo. A raiz da palavra impecabilidade vem do latim e significa “sem pecado”. Neste contexto o pecado representa tudo o que você faz e que vai contra você mesmo, contra a sua natureza, ou seja, a auto-rejeição.


Segundo compromisso: Não leve nada para o lado pessoal.

Isso é muito interessante porque somos tão narcisistas que criamos a ilusão de que tudo gira ao nosso redor, de que as pessoas estão constantemente nos tomando como referência. Nos sentimos ofendidos com a maior facilidade, como se o outro tivesse o poder de nos magoar ou ferir. Na verdade ele não tem, nós delegamos a ele esse poder e ficamos aprisionados no sofrimento e na dependência do humor alheio.


Terceiro compromisso: Não tire conclusões.

Vamos ser sinceros, somos especialistas nisso, não somos? Nem precisamos ouvir toda a história, basta uma parte dela e já tiramos todas as conclusões. Às vezes não precisamos nem disso... e então a partir do momento que concluímos algo, aquilo se torna a mais pura verdade!! Na sequência partimos para a fofoca, que é a maneira que encontramos de esparramar o veneno. Quando não compreendemos um fato tiramos logo uma conclusão para preencher o espaço vazio; se o outro fala, concluímos a intenção por detrás da fala, se não fala, concluímos o que significa o silêncio, e assim por diante. E as conclusões a nosso próprio respeito então? Nos colocamos aquém ou além do que realmente somos, e a frustração é inevitável...


Quarto compromisso: Sempre dê o melhor de si.

Essa é a possibilidade de vivermos intensamente nossas vidas, vivê-la na plenitude, na intensidade do que somos. É a oportunidade de nos transformar, e consequentemente transformar a nossa realidade. Dar o melhor de si é estar presente, consciente, é alargar os próprios limites e superá-los. Sem esse compromisso não conseguimos cumprir os outros três.


Fica a dica do livro e, se me permitem, um depoimento. Viver de acordo com os quatro compromissos é um desafio libertador!! Evidentemente não é fácil, vai na contra mão de tudo que aprendemos durante a vida. Vai no sentido oposto da auto importância, do hábito de julgar, do ranço das conclusões precipitadas e das verdades incontestáveis, das palavras inconsequentes e inconsistentes que soltamos a maior parte do tempo. Mas o gostoso dessa história é que mesmo que a mudança seja lenta e pequena, os efeitos na qualidade de vida e das relações que estabelecemos são prá lá de gratificantes!!

_________________________________________________________________________________


Texto de Ana Amorim: Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos.

Comentários