Pular para o conteúdo principal

Perfeição e coragem, o que é de quem?

Reshma Saujani é uma americana de 40 anos, advogada, política e fundadora de uma organização chamada Girls Who Code, cujo objetivo é ensinar garotas a fazerem programação em tecnologia, capacitá-las a entrar nesse mercado de trabalho predominantemente masculino. Vocês já pararam para pensar o porquê desse mercado contar com tão poucas mulheres?

Segundo Reshma a resposta é simples e baseia-se na maneira como as crianças são educadas (leia-se condicionadas). As meninas são educadas para serem perfeitas e os meninos são educados para serem corajosos.
Para ver esse TED, clique aqui

A programação é um processo de tentativas e erros, requer perseverança, ausência de medo em se expor, em se mostrar imperfeito, em tentar inúmeras vezes até conseguir. Não acertar e continuar tentando parece ser um desafio para os homens e um indício de fracasso para as mulheres; o que Reshma propõe é que se ensinem as meninas a serem corajosas, destemidas, a se arriscarem.

Não sei pra você, mas pra mim faz sentido.
Muitas vezes o que imaginamos ser uma característica natural nada mais é do que a sedimentação de condicionamentos por séculos! Se observarmos crianças em idade escolar veremos que há uma diferença enorme na organização do material entre meninas e meninos. Elas tendem a caprichar na letra, no cuidado com o material, na limpeza e na ordem. Os cadernos das meninas costumam ser impecáveis, já dos meninos... Mas eles não sofrem essa cobrança da mesma maneira, boas notas compensam a falta de capricho, meninos são assim mesmo... e vai por aí afora.

Na adolescência há tantas mudanças hormonais que o corpo fica esquisito, parece crescer de forma desproporcional, o rosto fica cheio de espinhas, o cabelo oleoso, a voz esganiçada. Todos passam por transformações até tudo se organizar, e a aparência física gera insegurança. Os meninos são estimulados a se arriscarem nos primeiros flertes e as meninas a se cuidarem para serem flertadas... E nesse momento vem um grande reforço para que elas busquem a perfeição, e eles a coragem de se arriscar.

Outro dia, organizando fotos antigas, encontrei uma onde estou com meus pais passando férias de verão; devia ter uns 17 anos. Meus pais sentados em um banco e eu em pé ao lado deles. Bronzeada, longilínea, usando um shortinho verde água e uma regata branca que ressaltava a cor da pele, cabelos longos e soltos, fiquei admirada com aquela foto, como eu estava bonita! Imediatamente fui tomada por uma ponta de tristeza, nunca me senti tão bonita como eu estava me vendo agora na foto. Nunca tive essa segurança, talvez porque soubesse das minhas “imperfeições”, não tão magra como eu imaginava que deveria ser, o cabelo não tão liso quanto se usava, um pouco mais baixa do que eu considerava a altura ideal, ou seja, eu não era perfeita, e assim sendo não podia me ver bonita.
Quanto desperdício de tempo e energia!!   
Fico imaginando quantas oportunidades deixei passar, em quantas situações não me arrisquei, não dei a cara a bater, me fechei, me escondi por medo de não ser aceita porque não era perfeita!

Precisamos pegar pela mão essa menina insegura que vive em nós independente da idade que tenhamos hoje, essa menina assustada que nunca se percebe boa o suficiente, que arrasta um caminhão de culpas por não ser a melhor, não fazer o melhor, por não ter evitado o inevitável, por ter errado na cor do cabelo, no comprimento da saia, na palavra que não disse, no choro que saiu à revelia, na escolha equivocada.

Essa menina que não é a esposa perfeita, a amante perfeita, a mãe perfeita, a filha perfeita e dizer a ela que chega, agora basta, você menina não tem que ser perfeita, esquece isso, joga fora, vem ter a coragem de buscar ser FELIZ!
 
Imagem: post card enviado ao projeto PostSecret

_________________________________________________________________________________


Texto de Ana Amorim: Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos.

Comentários

Postagens mais visitadas

Minimalismo por que?

Fui atraída pelo assunto Minimalismo após ler posts de moda que tratavam sobre consumo excessivo e ter ficado refletindo sobre a grande relevância desse assunto. Em seguida me empenhei na leitura de diversos blogs sobre o tema.
O interesse por algo diferente do seu cotidiano não acontece do nada: alguma coisa está mudando em você, ou lhe incomodando, criando a necessidade de transformação, de outro enfoque.
No meu caso, vejo agora, duas correntes complementares causaram isso: meu amor por organização + o desagrado com a maioria das compras de roupas que eu vinha fazendo.
O método da Marie Kondo ajudou a destralhar meu guarda-roupa e escritório. No entanto, ainda falta... Sinto que posso fazer melhor, que há mais a ser retirado das estantes. E a quantidade absurda de roupas que foi removida do armário, muitas delas sem uso, fez com que eu tivesse de encarar de frente que meus hábitos de consumo estavam equivocados [para falar o mínimo].
Ou seja: cansei de lutar para manter a organizaç…

Julho sem Desafio

De uma hora para outra me vi precisando muito de itens que não tinha, e os culpados disso são:
frio!!! Este ano o frio pegou mesmomudança de pesoreposição de lingerie e de camiseta para dormirmãe querendo iPad Depois de constatar o acima, e mesmo sendo as substituições liberadas do Desafio, achei melhor fazer uma pausa para resolver definitivamente tudo o que era preciso.


❄ O frio me pegou de surpresa, descobri que não tinha mais que uma malha de cashmere e as camisetas de manga longa eram fininhas, ou seja: não dava para sobreviver só com isso nesta temperatura baixa -- pelo menos não de uma forma fashion.
Esta época é conhecida pelo look cebola: tudo usado junto, roupa em cima de roupa, na tentativa de se agasalhar ao máximo. Não gosto desse método, muitas vezes as peças não combinam nada entre si e o resultado é, para dizer o mínimo, bem ruim.
Entendem o que digo?
Depois de malhas, outra substituição necessária: calças jeans. Emagreci um pouco e elas ficaram largas na cintura e sobra…

Destralhe digital e real

Que incrível que é mudar os parâmetros que nos acompanharam a vida inteira, não é? Ultimamente só consigo pensar em diminuir meus pertences, exatamente o contrário do que sempre fiz.


Em Maio eu estava aqui reclamando da dificuldade que estava enfrentando para deletar arquivos no computador. Update: O destralhe digital ainda está acontecendo, mas a passos de tartaruga...
São dias e dias focada em textos, em dígitos, sentindo que estou sempre na mesma: o que eu limpei ainda é muito pouco frente ao montante de arquivos.

E acho que foi isso que me fez acordar uma manhã animadíssima para destralhar objetos.
Coisas palpáveis são muito mais fáceis de limpar, e ainda se vê claramente o resultado (ao contrário do digital).


Comecei juntando todos os meus cosméticos e afins, que estavam distribuídos por 4 lugares diferentes (olha só que coisa mais errada! 😱). Sentei no chão com eles e todos passaram por uma inspeção minuciosa:
(i) validade definida pelo fabricante,
(ii) validade do produto dep…

Desafio um ano sem compras - Mar/18

Agora já foram três meses do Desafio e, incrivelmente e sem eu perceber, 1/4 do "um ano sem compras" já passou!

Olha, não vou dizer que está moleza, porque não está: tem horas que eu quase sucumbo à vontade de mandar tudo às favas e levar para casa aquele vestido lindo, ou a saia maravilhosa...

Mas veja bem, eu disse quase
Tenho passado por ondas de desejo nas vezes em que vejo minha irmã experimentando peças em uma loja legal. Daí que eu 'choro, resmungo, esperneio', etc., mas no fim mantenho a carteira fechada e saio de mãos abanando.

A maior conquista deste desafio está sendo conseguir frear o impulso da compra, por mais que na hora isso me deixe abalada.


E sabe, as regras que estabeleci antes de começar o Desafio também ajudaram a diminuir a pressão... Principalmente o item Paetês, que foi muito explorado: comprei camisetas, casaco e sapatos - mas veja bem, é TUDO paetês, item permitido, não houve trapaça.

Outra coisa incrível foi a redução de gastos do cartão d…

Trend Inverno/18: xadrez

Este é o inverno das padronagens xadrezas, olha a coleção outono/2018 da Miu Miu:
Este artigo da L'Officiel vai lhe informar bem sobre estilos e modelagens. Se você estiver procurando roupas nessa estampa, a Zara costuma ter tudo que é novidade, provavelmente você encontrará muitas peças por lá.

Entretanto, se você prefere um toque mais discreto ao invés do look completo, os sapatos em tartan - aquele xadrez bem invernal inspirado no vestuário escocês - são uma boa pedida.

Esta semana a vitrine da Santa Lolla estava lotada com vários sapatos nessa estampa:
Sapatilhas, R$100 cada - a branca está linda! Com caveira, R$170 - pena que tem o bico muito redondo, isso infantiliza o look Lindo sneaker, uma cor ótima e com um toque de tartan - R$150 Olha essa mochila, que fofa! - R$300 E que tal este slip on? - R$130
Pesquisando em diversas lojas encontram-se inúmeras opções, desde Burberry até Moleca, olha só:
Tênis de couro com detalhe xadrez, Burberry - R$2.650 - na Farfetch

Acima Luiz…