Terapia da compra

Sob o título "Fazer compras deixa você três vezes mais feliz", este artigo diz que a terapia da compra [isto é, quando se vai às compras para amenizar o estresse] pode ser uma boa maneira de diminuir a tristeza, pois “a tristeza é fortemente associada à sensação de que forças situacionais controlam os resultados da vida de alguém” e fazer compras faz as pessoas se sentirem no controle da própria vida.
 
Interessante... Você concorda?

Entendo o ponto de falarem que as compras nos dão a sensação de controle. Sim, é um poder exercido quando escolhemos algo e o levamos para casa. Mas só é poder mesmo quando essa escolha é feita obedecendo nosso orçamento, sem cair em dívidas - caso contrário passa a ser uma prisão, não é mesmo?

E apesar de realmente existir essa sensação boa de poder, que até pode dar um alívio à tristeza, é tudo muito instantâneo, ela passa muito rápido. Logo aquela compra está esquecida e outro "desejo" passa a ocupar o cérebro e, convenhamos: não dá para satisfazer todos os caprichos, não há bolso que consiga comprar tudo que é ofertado.

Com isso chego a uma conclusão bem diferente do artigo citado: a felicidade não pode ser diretamente relacionada a compras.
Apesar de fazer compras nos dar um respiro de alívio momentâneo, se você quiser mesmo ser feliz deve buscar prazer em coisas mais duradouras: leituras, relacionamentos, hobbies, etc.

E também é interessante notar que se você estiver satisfeito com o que já possui, não precisará passar pelo ciclo "tristeza-compra-euforia-tristeza" que parece ser constante a quem foca somente em aquisições.

O que nos leva a outra inferência importante: não é porque uma "Pesquisa" diz algo que a gente tem que acreditar ou assumir que a tese dela seja real ou correta.  ;)

Comentários

Postar um comentário