Pular para o conteúdo principal

A violência de todos nós


Estamos assistindo a acontecimentos dolorosos que tem em comum a manifestação brutal da violência. No Rio uma menina de dezesseis anos foi estuprada por vários homens; na madrugada do último domingo cinquenta pessoas foram mortas em Orlando enquanto divertiam-se em uma boate frequentada por homossexuais.

Não bastasse a brutalidade em si, ainda abre-se espaço para debater as possíveis razões que levaram a tais acontecimentos. Seria a menina parte do grupo, acaso ela costumava frequentar a favela onde o estupro ocorreu? E no caso da boate americana, seria o matador homofóbico ou o assassinato em massa foi um ato terrorista? A divulgação da noticia faz eclodir outra manifestação, tão irracional quanto, da violência que não está no outro, mas em cada um de nós.

No dois casos observamos um confronto de irracionalidades. Em relação ao estupro há de um lado os que acusam a garota de ser “merecedora” do que ocorreu, uma vez que o comportamento dela deve ter contribuído e muito para esse desfecho!! Do outro lado um levante feminista contra os homens, como se todos os representantes da espécie masculina fossem porcos selvagens prontos para atacar as mulheres. O desprezo e o ódio pelo gênero oposto parecem caminhar em ritmos semelhantes.

Em relação ao assassinato em massa vemos o mesmo show de horrores nos comentários postados. Se a motivação foi homofóbica há quem apoie a eliminação das diferenças no extermínio (acho que já vimos esse filme), e novamente o raciocínio da vitima como “merecedora” do ataque se faz presente. Quando considerada a hipótese de terrorismo surge o ódio em relação aos imigrantes, como se todos os que deixam seu país de origem fossem porcos selvagens prontos para atacar o mundo. E assim reeditamos na repetição da consciência que, como humanidade, não conseguimos adquirir, personagens sombrios da nossa historia, como Ku Klux Klan, Adolf Hitler entre tantos outros.

A imagem que me vem a cabeça é da humanidade percorrendo um patamar da espiral da evolução: damos a volta inteira e, quando regressamos ao ponto de origem deveríamos ter arrebanhado consciência e energia amorosa suficientes para ascender para uma oitava superior. Como falhamos nisso, percorremos novamente o mesmo caminho e repetimos as mesmas experiências. Revisitamos os mesmos velhos personagens, os pensamentos e emoções repetem-se e continuamos na mesma frequência vibratória, na mesma energia.

Apontamos o dedo para a violência do outro: dos homens estupradores, dos homofóbicos, dos terroristas. De fato são eles porta vozes do que há de pior no ser humano, da sombra que resiste à  possibilidade da luz, da doença que não se rende à cura, da inconsciência que se nega a evoluir. Mas a violência não está só neles, não é privilegio de um ou outro ser humano. Fazemos parte do mesmo grupo, somos a mesma raça humana, e talvez o que difere entre nós seja a vontade de realizar um trabalho interno que nos aproxime do aspecto divino. Ou, para quem não partilha dessa crença, um trabalho interior a serviço do bem.

Fico chocada diante dos fatos e também diante de como algumas pessoas reagem a esses fatos. O ódio que gera ódio é um sistema destrutivo que se auto alimenta, e generalizações são perigosas porque faltam com a verdade. Seria um erro iluminarmos meio campo e acreditarmos que aquele é o campo inteiro.
Dá vontade de acabar com tanta violência, não dá? E o que fazer? Talvez a resposta seja fazer o que está ao nosso alcance, o que é possível. Trabalhar a violência que há em nós, nas ralações que estabelecemos com os outros. Trabalhar nosso aspecto julgador, preconceituoso, terrorista, inconsciente.
É necessário ser a mudança que queremos ver no mundo, então mãos à obra porque há muito para ser feito!!

_________________________________________________________________________________


Texto de Ana Amorim: Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos.
 

Comentários

Postagens mais visitadas

Minimalismo por que?

Fui atraída pelo assunto Minimalismo após ler posts de moda que tratavam sobre consumo excessivo e ter ficado refletindo sobre a grande relevância desse assunto. Em seguida me empenhei na leitura de diversos blogs sobre o tema [há vários listados aqui no blogroll]. O interesse por algo diferente do seu cotidiano não acontece do nada: alguma coisa está mudando em você, ou lhe incomodando, criando a necessidade de transformação, de outro enfoque.
No meu caso, vejo agora, duas correntes complementares causaram isso: meu amor por organização + o desagrado com a maioria das compras de roupas que eu vinha fazendo.
O método da Marie Kondo ajudou a destralhar meu guarda-roupa e escritório. No entanto, ainda falta... Sinto que posso fazer melhor, que há mais a ser retirado das estantes. E a quantidade absurda de roupas que foi removida do armário, muitas delas sem uso, fez com que eu tivesse de encarar de frente que meus hábitos de consumo estavam equivocados [para falar o mínimo].
Ou seja: c…

Casa Mathilde em Moema

A sede da tradicional Casa Mathilde, doçaria portuguesa, fica próxima à estação São Bento, no Centro de São Paulo. Ocupando o endereço do antigo Fasano, é um lugar charmoso, com um balcão enorme cheio de opções de doces. Ali as possibilidades vão muito além dos tradicionais Pastéis de Santa Clara / Pastéis de Nata. São bolos, tortas e doces portugueses que não se encontram em nenhum outro lugar, e que competem pela nossa atenção. A dificuldade é escolher. =D Apesar de todos esses atributos, nem todo mundo tinha disposição de ir ao velho Centro em busca de seus doces. Mas agora, a boa notícia: a Casa Mathilde abriu uma filial na Avenida Ibirapuera, no bairro de Moema! Av. Ibirapuera, 2082 (em frente à igreja Nª Sra Aparecida, no jardim de Moema) Domingo à Quinta das 9h às 20h. Sexta e Sábado das 9h às 23h Estacionamento na porta, com manobrista [R$5] Estive lá no domingo. É um espaço agradável, organizado, bem iluminado. Estava absolutamente lotado, com fila até para escolher um doce no ba…

Dicas de presente para terceira idade - I

I- Para uma senhora idosa ativa

Pessoas mais idosas são difíceis de presentear pois os itens escolhidos têm que ser muito bem pensados para que não se tornem mais um estorvo dentro da casa ou do armário.
Vale aqui a mesma coisa que pensamos quando estamos procurando algo para alguém mais jovem: qual a rotina da pessoa? qual seu hobby? do que ela gosta mais?

Para as pessoas da terceira idade que mantém rotina agitada as opções são maiores. Sei disso porque meus pais têm quase 90 anos e são super ativos, viajam, lêem, assistem filmes. Sempre mais fácil presentear nesses casos. Com quem você tem intimidade estão liberados os itens de MODA como roupas, bolsas e sapatos. Aqui seguem ideias para presentear uma idosa ativa, porém não tão íntima para escolhermos os itens acima.


Colares
Adoro senhorinhas com muitos colares ou com peças bem coloridas. É uma época da vida em que você não tem que seguir moda, você FAZ sua moda.   Este acima seria perfeito para minha mãe, que gosta de cristais e br…

Desafio um ano sem compras - Mar/18

Agora já foram três meses do Desafio e, incrivelmente e sem eu perceber, 1/4 do "um ano sem compras" já passou!

Olha, não vou dizer que está moleza, porque não está: tem horas que eu quase sucumbo à vontade de mandar tudo às favas e levar para casa aquele vestido lindo, ou a saia maravilhosa...

Mas veja bem, eu disse quase
Tenho passado por ondas de desejo nas vezes em que vejo minha irmã experimentando peças em uma loja legal. Daí que eu 'choro, resmungo, esperneio', etc., mas no fim mantenho a carteira fechada e saio de mãos abanando.

A maior conquista deste desafio está sendo conseguir frear o impulso da compra, por mais que na hora isso me deixe abalada.


E sabe, as regras que estabeleci antes de começar o Desafio também ajudaram a diminuir a pressão... Principalmente o item Paetês, que foi muito explorado: comprei camisetas, casaco e sapatos - mas veja bem, é TUDO paetês, item permitido, não houve trapaça.

Outra coisa incrível foi a redução de gastos do cartão d…

Trend Inverno/18: xadrez

Este é o inverno das padronagens xadrezas, olha a coleção outono/2018 da Miu Miu:
Este artigo da L'Officiel vai lhe informar bem sobre estilos e modelagens. Se você estiver procurando roupas nessa estampa, a Zara costuma ter tudo que é novidade, provavelmente você encontrará muitas peças por lá.

Entretanto, se você prefere um toque mais discreto ao invés do look completo, os sapatos em tartan - aquele xadrez bem invernal inspirado no vestuário escocês - são uma boa pedida.

Esta semana a vitrine da Santa Lolla estava lotada com vários sapatos nessa estampa:
Sapatilhas, R$100 cada - a branca está linda! Com caveira, R$170 - pena que tem o bico muito redondo, isso infantiliza o look Lindo sneaker, uma cor ótima e com um toque de tartan - R$150 Olha essa mochila, que fofa! - R$300 E que tal este slip on? - R$130
Pesquisando em diversas lojas encontram-se inúmeras opções, desde Burberry até Moleca, olha só:
Tênis de couro com detalhe xadrez, Burberry - R$2.650 - na Farfetch

Acima Luiz…

Catálogo-carta da Camila Klein - verão 2018

Se tem uma loja de bijuterias que eu admiro é a Camila Klein. As peças são fortes, inspiradas, e o material é sempre ótimo, durável, pesado (detesto bijoux leve demais!).
Olha que brinco lindo! Comprei-o no tom rosa velho: di-vi-no
Hoje recebi o catálogo da nova coleção em um envelope ENORME e minha primeira reação foi criticar o exagero, pensando "Não é à toa que as peças são tão caras, olha como eles gastam em propaganda!".

Só que ao abrir não encontrei um folheto comum e sim amplas folhas de papel cartão com picotes a serem destacados, formando cartas um pouco maiores que as de baralho.
Cada carta tem uma bijoux em um lado e uma pergunta no verso, e forma um jogo:

"Este jogo foi pensado com o propósito de reunir mulheres para um momento de autoconhecimento, descontração, reflexão, lembranças e muitas risadas. Juntas podemos compartilhar experiências e nos ajudar a conhecermos melhor a nós mesmas para evoluirmos e florescermos".

As perguntas são bem interessantes: