Pular para o conteúdo principal

Sobre a possibilidade de olhar


Há um vídeo produzido pela Amnistia Internacional da Polônia e uma agência de publicidade que mostra um experimento feito entre refugiados vindos da Síria e Somália com europeus de diversos países. Esse experimento tem por base uma teoria desenvolvida pelo psicólogo americano Arthur Aron nos anos noventa. Ele postula que um contato direto feito por duas pessoas durante quatro minutos, olhos nos olhos, cria uma aproximação que nenhuma outra situação é capaz de criar em curto espaço de tempo. O objetivo da campanha é, evidentemente, diminuir a rejeição e o preconceito em relação aos refugiados e mobilizar os europeus a desenvolverem uma aceitação maior; o vídeo é comovente e, ao assisti-lo, conseguimos dimensionar a emoção das pessoas e o quanto elas realmente interagem.

Se pararmos para observar como a maioria de nós, principalmente os jovens, se relaciona atualmente, esse experimento cai como uma bomba no oásis tecnológico que criamos e consumimos sem o menor constrangimento!! Quero deixar claro que sou inteiramente a favor da tecnologia, acho maravilhoso poder pagar uma conta pelo celular sem ao menos precisar digitar aquele amontoado de números que por vezes são ilegíveis de tão pequenos, ou chamar um carro pelo Uber e não se preocupar se há dinheiro na carteira, ou fazer supermercado e receber as compras sem sair de casa, e tantas outras facilidades.

Novamente a questão não é o avanço tecnológico, mas o uso que se faz dele. Quando isso é usado a favor da qualidade de vida, da diminuição do tempo gasto em tarefas operacionais, quando esse avanço está a nosso serviço, essa ferramenta é fantástica. Porém quando o uso é indiscriminado, compulsivo e inconsequente, o resultado é desastroso, senão agora, mas no futuro próximo.

Isso é muito claro quando, por exemplo, recebo no consultório crianças em idade pré-escolar com comportamentos de isolamento, sociabilidade quase rudimentar, vocabulário pouco desenvolvido, capacidade afetiva restrita. Bastam algumas poucas perguntas para a evidência surgir: são crianças cujo desenvolvimento está afetado pelo uso excessivo de eletrônicos. São crianças cujo sono não é mais embalado por histórias ou cantigas de ninar resignificadas pela voz materna; são crianças que adormecem com o IPad nas mãos, hipnotizadas pelas imagens luminosas e sons metálicos repetitivos.
O mesmo acontece com os adolescentes que passam o dia plugados, se comunicam pelo WhatsApp ou Facetime, jogam on line no computador ou videogame e preferem nitidamente o virtual ao real. Também eles acabam por sofrer de empobrecimento afetivo, isolamento, dificuldades em lidar com situações corriqueiras entre tantos outros sintomas. As relações possuem poderosos atravessadores, prescindem do contato direto, desconhecem o olho no olho.

Acho que estou saudosista... na minha infância e adolescência, mãe tinha cheiro, pai tinha som, amigas tinham olhares cúmplices, brincadeiras tinham diversão e suor e a imaginação era alimentada diariamente pela possibilidade de estímulos pouco estruturados. O que contava mesmo eram as relações, o estar próximo, junto, entender o outro só pelo olhar. Hoje mal olhamos... evitamos o contato, desviamos. No aniversário do amigo, se der para mandar parabéns pelo Facebook, tanto melhor, evita-se um telefonema. A nossa capacidade de amar, de gostar, de ter empatia, de compreender definha visivelmente. E depois nos queixamos que o outro (seja ele o companheiro, o filho, o amigo) não nos vê, não nos percebe. Acaso poderia ser diferente? Acaso há entre eu e o outro disposição para olhar?

_________________________________________________________________________________


Texto de Ana Amorim: Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos.
 

Comentários

Postagens mais visitadas

Julho sem Desafio

De uma hora para outra me vi precisando muito de itens que não tinha, e os culpados disso são:
frio!!! Este ano o frio pegou mesmomudança de pesoreposição de lingerie e de camiseta para dormirmãe querendo iPad Depois de constatar o acima, e mesmo sendo as substituições liberadas do Desafio, achei melhor fazer uma pausa para resolver definitivamente tudo o que era preciso.


❄ O frio me pegou de surpresa, descobri que não tinha mais que uma malha de cashmere e as camisetas de manga longa eram fininhas, ou seja: não dava para sobreviver só com isso nesta temperatura baixa -- pelo menos não de uma forma fashion.
Esta época é conhecida pelo look cebola: tudo usado junto, roupa em cima de roupa, na tentativa de se agasalhar ao máximo. Não gosto desse método, muitas vezes as peças não combinam nada entre si e o resultado é, para dizer o mínimo, bem ruim.
Entendem o que digo?
Depois de malhas, outra substituição necessária: calças jeans. Emagreci um pouco e elas ficaram largas na cintura e sobra…

Destralhe digital e real

Que incrível que é mudar os parâmetros que nos acompanharam a vida inteira, não é? Ultimamente só consigo pensar em diminuir meus pertences, exatamente o contrário do que sempre fiz.


Em Maio eu estava aqui reclamando da dificuldade que estava enfrentando para deletar arquivos no computador. Update: O destralhe digital ainda está acontecendo, mas a passos de tartaruga...
São dias e dias focada em textos, em dígitos, sentindo que estou sempre na mesma: o que eu limpei ainda é muito pouco frente ao montante de arquivos.

E acho que foi isso que me fez acordar uma manhã animadíssima para destralhar objetos.
Coisas palpáveis são muito mais fáceis de limpar, e ainda se vê claramente o resultado (ao contrário do digital).


Comecei juntando todos os meus cosméticos e afins, que estavam distribuídos por 4 lugares diferentes (olha só que coisa mais errada! 😱). Sentei no chão com eles e todos passaram por uma inspeção minuciosa:
(i) validade definida pelo fabricante,
(ii) validade do produto dep…

Dicas de presente para terceira idade - I

I- Para uma senhora idosa ativa

Pessoas mais idosas são difíceis de presentear pois os itens escolhidos têm que ser muito bem pensados para que não se tornem mais um estorvo dentro da casa ou do armário.
Vale aqui a mesma coisa que pensamos quando estamos procurando algo para alguém mais jovem: qual a rotina da pessoa? qual seu hobby? do que ela gosta mais?

Para as pessoas da terceira idade que mantém rotina agitada as opções são maiores. Sei disso porque meus pais têm quase 90 anos e são super ativos, viajam, lêem, assistem filmes. Sempre mais fácil presentear nesses casos. Com quem você tem intimidade estão liberados os itens de MODA como roupas, bolsas e sapatos. Aqui seguem ideias para presentear uma idosa ativa, porém não tão íntima para escolhermos os itens acima.


Colares
Adoro senhorinhas com muitos colares ou com peças bem coloridas. É uma época da vida em que você não tem que seguir moda, você FAZ sua moda.   Este acima seria perfeito para minha mãe, que gosta de cristais e br…

As críticas feitas ao Método KonMari

Como em um mesmo dia li duas críticas ao método de destralhamento e organização de Marie Kondo, ficou claro que está havendo uma facção contrária à numerosa corrente que a aprova e admira.

Um post diz que o método KonMari não faz a pessoa se tornar minimalista. E a explicação é que se você opta por guardar o que faz seus olhos brilharem, pode guardar muito mais coisas além do que seria estritamente necessário e essencial para sua vida.
O outro[a foto acima é desse artigo] é ainda mais incisivo e seu link diz ser "anti-marie-kondo-joy-of-clutter". Neste caso, a autora defende não haver nada de errado em termos quartos cheios de relíquias e peças colecionáveis. E ironiza ao dizer que o processo proposto pela japonesa de se agradecer aos objetos antes de doá-los chegou a um nível acima na antropomorfização.

Não sou advogada contratada para defender a Kondo e seu método [risos], mas me senti impelida a escrever porque não concordo com nada disso acima.

Ambientes ou armários abar…

Tênis branco

Se vocês acompanham qualquer site ou blog de Moda já devem estar cansadas de saber que o tênis branco virou um hit. Ele está sendo usado com tudo: calças, saias, vestidos curtos ou longos, alfaiatarias, shorts, jeans, etc. Nesta imagem do blog Futilish se vê bem a versatilidade:

Como esse tênis é para ser calçado com aquela meia quase sem cano, baixíssima, ou sem meia alguma, acho que alguns modelos simplesmente não rolam. O All Star, por exemplo. Eu o acho lindo, mas ele acaba com os calcanhares!
Por isso achei interessante mostrar esta opção aqui:
Tênis Corello por R$220.
Lindinho e parece ser bem macio pois tem calcanhar e entorno do pé acolchoado. Além de ser um modelo bem feminino e totalmente street (ou seja, nada a ver com tênis específico para academia), o que é obrigatório para se fazer bonito nessa moda.
E aí, gostou? Já tem o seu?