Pular para o conteúdo principal

Você já se pegou nublada?

Hoje acordei nublada e senti vontade de escrever sobre isso; esse adjetivo é usado para descrever a condição do tempo, mas por que não usá-lo também para falar sobre a condição emocional?
Da mesma maneira em que há dias que o sol brilha logo cedo e a luminosidade toma conta de tudo, também nós às vezes acordamos com um brilho na alma e no coração. São aqueles dias em que dá vontade de pular logo da cama, tomar uma chuveirada gostosa, preparar um bom café da manhã e partir para a vida com disposição e certeza de que tudo dará certo.
 
Mas nem sempre é assim. Às vezes acordamos chuvosos, as lágrimas aparecem sem necessariamente entendermos porquê, e a tristeza nos toma de assalto. Lembra enchente, se avoluma, invade sem pedir licença e demora a escoar, e assim ficamos mergulhados nela, nos sentindo um pouco náufragos, encharcados de emoções.

Hoje pela manhã havia em mim uma certa indecisão; o despertador tocou e eu não sabia se queria levantar ou voltar a dormir; enrolei um pouco e saí da cama. A chuveirada foi rápida e o hidratante dispensado! A roupa não foi cuidadosamente escolhida e o visual ficou a desejar; no rosto pincelei uma base e olhe lá! Nos olhos um pouco de máscara sem a companhia do delineador. No dejejum um café preto básico, a geleia preferida sequer foi para a mesa...

No carro me dei conta que estava nublada, nem disposta nem derrubada. A tristeza baixava como uma neblina fina entrecortada por alguma esperança de sol. É o jogo de luz e sombra que habita em nós.
O primeiro impulso foi o de exorcizar essa penumbra emocional, afinal sou uma pessoa predisposta à alegria que trabalha arduamente para desenvolver um olhar generoso em relação à vida. Mas depois do ímpeto veio o insight... por que não acolher a tristeza se ela também faz parte de mim?

Nos dias atuais há uma pressão para estarmos felizes o tempo todo. Dispomos de um arsenal de drogas lícitas que nos convidam à alegria permanente como se a alegria fosse um direito e não uma conquista.

Esquecemos que a tristeza é pré-requisito para a compreensão e elaboração de nossos processos internos, e que é a liga que permite que nossos “pedaços” se integrem e desenhem um todo mais completo. Eu não estou me referindo aqui ao processo depressivo que arrasta milhões de pessoas no mundo ao desconsolo, mas sim ao aspecto saudável da tristeza que nos permite crescer, evoluir, compreender, aceitar o que não depende de nós e transformar o que nos incomoda e está ao nosso alcance modificar.

-->
Aceitar e acolher a si mesmo no que não gostaríamos de reconhecer em nós é condição básica para a aceitação e o acolhimento do outro, é desenvolver o respeito pela condição humana e a resiliência para superarmos a frustração de não termos ainda nos tornado quem sonhamos tanto ser!
                                                 

_________________________________________________________________________________


Texto de Ana Amorim: Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas

Minimalismo por que?

Fui atraída pelo assunto Minimalismo após ler posts de moda que tratavam sobre consumo excessivo e ter ficado refletindo sobre a grande relevância desse assunto. Em seguida me empenhei na leitura de diversos blogs sobre o tema [há vários listados aqui no blogroll]. O interesse por algo diferente do seu cotidiano não acontece do nada: alguma coisa está mudando em você, ou lhe incomodando, criando a necessidade de transformação, de outro enfoque.
No meu caso, vejo agora, duas correntes complementares causaram isso: meu amor por organização + o desagrado com a maioria das compras de roupas que eu vinha fazendo.
O método da Marie Kondo ajudou a destralhar meu guarda-roupa e escritório. No entanto, ainda falta... Sinto que posso fazer melhor, que há mais a ser retirado das estantes. E a quantidade absurda de roupas que foi removida do armário, muitas delas sem uso, fez com que eu tivesse de encarar de frente que meus hábitos de consumo estavam equivocados [para falar o mínimo].
Ou seja: c…

Casa Mathilde em Moema

A sede da tradicional Casa Mathilde, doçaria portuguesa, fica próxima à estação São Bento, no Centro de São Paulo. Ocupando o endereço do antigo Fasano, é um lugar charmoso, com um balcão enorme cheio de opções de doces. Ali as possibilidades vão muito além dos tradicionais Pastéis de Santa Clara / Pastéis de Nata. São bolos, tortas e doces portugueses que não se encontram em nenhum outro lugar, e que competem pela nossa atenção. A dificuldade é escolher. =D Apesar de todos esses atributos, nem todo mundo tinha disposição de ir ao velho Centro em busca de seus doces. Mas agora, a boa notícia: a Casa Mathilde abriu uma filial na Avenida Ibirapuera, no bairro de Moema! Av. Ibirapuera, 2082 (em frente à igreja Nª Sra Aparecida, no jardim de Moema) Domingo à Quinta das 9h às 20h. Sexta e Sábado das 9h às 23h Estacionamento na porta, com manobrista [R$5] Estive lá no domingo. É um espaço agradável, organizado, bem iluminado. Estava absolutamente lotado, com fila até para escolher um doce no ba…

Dicas de presente para terceira idade - I

I- Para uma senhora idosa ativa

Pessoas mais idosas são difíceis de presentear pois os itens escolhidos têm que ser muito bem pensados para que não se tornem mais um estorvo dentro da casa ou do armário.
Vale aqui a mesma coisa que pensamos quando estamos procurando algo para alguém mais jovem: qual a rotina da pessoa? qual seu hobby? do que ela gosta mais?

Para as pessoas da terceira idade que mantém rotina agitada as opções são maiores. Sei disso porque meus pais têm quase 90 anos e são super ativos, viajam, lêem, assistem filmes. Sempre mais fácil presentear nesses casos. Com quem você tem intimidade estão liberados os itens de MODA como roupas, bolsas e sapatos. Aqui seguem ideias para presentear uma idosa ativa, porém não tão íntima para escolhermos os itens acima.


Colares
Adoro senhorinhas com muitos colares ou com peças bem coloridas. É uma época da vida em que você não tem que seguir moda, você FAZ sua moda.   Este acima seria perfeito para minha mãe, que gosta de cristais e br…

Armário cápsula: como foi o primeiro mês do Projeto 333

Resposta rápida: foi moleza. :D

Fevereiro, conforme previsto pela meteorologia, foi um mês de altas temperaturas (põe altas nisso!!!). Daí que minha escolha pelas peças mais leves do guarda-roupa foi providencial e me deixou confortável o tempo todo.
Para vocês terem uma ideia de como a gente acha que precisa de muito mais coisas do que a realidade, das 31 peças de escolhi [link] eu não usei 6! Ou seja, os 30 dias foram muito bem passados com apenas 25 itens.

Fiz uma alteração, no entanto: troquei uma camiseta bordada por uma lisa pois fomos viajar para Águas de Lindoia, eu dirigindo, e a fricção no cinto de segurança acabaria estragando o trabalho da blusa. Mas foi uma substituição, não mudou o número de peças usadas.
As semanas foram passadas com repetições de quatro vestidos, um macacão e um jeans com camisetas variadas. Vestido é uma maravilha, pois com uma só peça você está rapidamente pronta para o dia todo. Aproveitei demais os meus escolhidos!
 AMO este vestido da Anthropologi…

Desafio um ano sem compras - Mar/18

Agora já foram três meses do Desafio e, incrivelmente e sem eu perceber, 1/4 do "um ano sem compras" já passou!

Olha, não vou dizer que está moleza, porque não está: tem horas que eu quase sucumbo à vontade de mandar tudo às favas e levar para casa aquele vestido lindo, ou a saia maravilhosa...

Mas veja bem, eu disse quase
Tenho passado por ondas de desejo nas vezes em que vejo minha irmã experimentando peças em uma loja legal. Daí que eu 'choro, resmungo, esperneio', etc., mas no fim mantenho a carteira fechada e saio de mãos abanando.

A maior conquista deste desafio está sendo conseguir frear o impulso da compra, por mais que na hora isso me deixe abalada.


E sabe, as regras que estabeleci antes de começar o Desafio também ajudaram a diminuir a pressão... Principalmente o item Paetês, que foi muito explorado: comprei camisetas, casaco e sapatos - mas veja bem, é TUDO paetês, item permitido, não houve trapaça.

Outra coisa incrível foi a redução de gastos do cartão d…

Trend Inverno/18: xadrez

Este é o inverno das padronagens xadrezas, olha a coleção outono/2018 da Miu Miu:
Este artigo da L'Officiel vai lhe informar bem sobre estilos e modelagens. Se você estiver procurando roupas nessa estampa, a Zara costuma ter tudo que é novidade, provavelmente você encontrará muitas peças por lá.

Entretanto, se você prefere um toque mais discreto ao invés do look completo, os sapatos em tartan - aquele xadrez bem invernal inspirado no vestuário escocês - são uma boa pedida.

Esta semana a vitrine da Santa Lolla estava lotada com vários sapatos nessa estampa:
Sapatilhas, R$100 cada - a branca está linda! Com caveira, R$170 - pena que tem o bico muito redondo, isso infantiliza o look Lindo sneaker, uma cor ótima e com um toque de tartan - R$150 Olha essa mochila, que fofa! - R$300 E que tal este slip on? - R$130
Pesquisando em diversas lojas encontram-se inúmeras opções, desde Burberry até Moleca, olha só:
Tênis de couro com detalhe xadrez, Burberry - R$2.650 - na Farfetch

Acima Luiz…