Pular para o conteúdo principal

A arte da escuta


Tenho notado como andamos todos verborrágicos, falar parece ter se tornado um ato de despejo. É certo que nos dias de hoje, com a duvidosa qualidade de vida que temos, a ansiedade corre solta. Estamos imprimindo tamanha velocidade no ritmo de nossas vidas que nem percebemos quanto tempo passamos estressados e quanta adrenalina é produzida e circula pela corrente sanguínea. Diante de tanta tensão e aceleração surgem os mecanismos compulsivos, como se fossem canais de descarte do excesso que não cabe em nós. Come-se, bebe-se, corre-se, compra-se, fala-se, tudo demais.
Para cada excesso há uma falta, ou seja, tudo que é regido pelo signo da ansiedade desequilibra os pares de opostos, um prato da balança bate no chão enquanto o outro fica pendurado nas alturas. Para os que falam compulsivamente falta a possibilidade da escuta.

E o que é escutar? Bem, talvez seja silenciar o mundo interno, desatrelar-se dos próprios pensamentos, abrir mão das certezas (nem que seja por um momento), desviar o olhar do umbigo e levar o olhar para o outro, para a criatura que está tentando nos comunicar algo. Mas para tudo isso acontecer é preciso estar em paz; não a paz nirvânica, transcendente, dos santos e dos profetas, claro que não! Basta a paz de quem consegue naquele instante ter domínio sobre si mesmo e, portanto, abrir-se para acolher o outro, para tentar compreender a mensagem que está sendo transmitida.

Vamos lá, façamos um mea culpa; quem de nós como mãe, ao ouvir o choro de um filho ligeiramente machucado, não o recebeu de braços abertos e boca cheia de palavras, cuspindo feito metralhadora coisas do tipo: eu não te disse, eu não avisei que não ia dar certo? Olha só como você é teimoso e blá blá blá...? Claro que ficamos invadidas de angústia e o despejo sobre o outro é imediato, sobrepomos a nossa dor à dor alheia.

Quer outro exemplo? Quando alguém chega aflito e começa a nos contar sobre um fato que aconteceu e o atordoou; se de alguma forma isso nos remete a alguma experiência por nós vivida prontamente engatamos na fala, (não na escuta), e vamos desfiando nosso próprio rosário!! Ou quando todos os juízes que carregamos internamente ficam ouriçados ao ouvir alguém falando e rapidamente armamos um tribunal, onde a sentença se apresenta certeira, nem tarda nem falha.
Eu poderia continuar dando outros exemplos de coisas que fazemos e nem nos damos conta, mas aí seria falar demais!! Acho que é por isso que dizem que escutar é uma arte, e como arte não está disponível a todos de forma indiscriminada. Como arte requer um certo silêncio, foco, atenção flutuante, disponibilidade interna, um despojar-se de si mesmo para poder voltar-se para o outro. Escutar é entrar no universo do outro e poder situar-se dentro de seu contexto, e isso absolutamente não significa concordância, mas aceitação do que não vem de nós.

_________________________________________________________________________________


Texto de Ana Amorim: Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos.

Comentários

Postagens mais visitadas

Minimalismo por que?

Fui atraída pelo assunto Minimalismo após ler posts de moda que tratavam sobre consumo excessivo e ter ficado refletindo sobre a grande relevância desse assunto. Em seguida me empenhei na leitura de diversos blogs sobre o tema.
O interesse por algo diferente do seu cotidiano não acontece do nada: alguma coisa está mudando em você, ou lhe incomodando, criando a necessidade de transformação, de outro enfoque.
No meu caso, vejo agora, duas correntes complementares causaram isso: meu amor por organização + o desagrado com a maioria das compras de roupas que eu vinha fazendo.
O método da Marie Kondo ajudou a destralhar meu guarda-roupa e escritório. No entanto, ainda falta... Sinto que posso fazer melhor, que há mais a ser retirado das estantes. E a quantidade absurda de roupas que foi removida do armário, muitas delas sem uso, fez com que eu tivesse de encarar de frente que meus hábitos de consumo estavam equivocados [para falar o mínimo].
Ou seja: cansei de lutar para manter a organizaç…

Julho sem Desafio

De uma hora para outra me vi precisando muito de itens que não tinha, e os culpados disso são:
frio!!! Este ano o frio pegou mesmomudança de pesoreposição de lingerie e de camiseta para dormirmãe querendo iPad Depois de constatar o acima, e mesmo sendo as substituições liberadas do Desafio, achei melhor fazer uma pausa para resolver definitivamente tudo o que era preciso.


❄ O frio me pegou de surpresa, descobri que não tinha mais que uma malha de cashmere e as camisetas de manga longa eram fininhas, ou seja: não dava para sobreviver só com isso nesta temperatura baixa -- pelo menos não de uma forma fashion.
Esta época é conhecida pelo look cebola: tudo usado junto, roupa em cima de roupa, na tentativa de se agasalhar ao máximo. Não gosto desse método, muitas vezes as peças não combinam nada entre si e o resultado é, para dizer o mínimo, bem ruim.
Entendem o que digo?
Depois de malhas, outra substituição necessária: calças jeans. Emagreci um pouco e elas ficaram largas na cintura e sobra…

Destralhe digital e real

Que incrível que é mudar os parâmetros que nos acompanharam a vida inteira, não é? Ultimamente só consigo pensar em diminuir meus pertences, exatamente o contrário do que sempre fiz.


Em Maio eu estava aqui reclamando da dificuldade que estava enfrentando para deletar arquivos no computador. Update: O destralhe digital ainda está acontecendo, mas a passos de tartaruga...
São dias e dias focada em textos, em dígitos, sentindo que estou sempre na mesma: o que eu limpei ainda é muito pouco frente ao montante de arquivos.

E acho que foi isso que me fez acordar uma manhã animadíssima para destralhar objetos.
Coisas palpáveis são muito mais fáceis de limpar, e ainda se vê claramente o resultado (ao contrário do digital).


Comecei juntando todos os meus cosméticos e afins, que estavam distribuídos por 4 lugares diferentes (olha só que coisa mais errada! 😱). Sentei no chão com eles e todos passaram por uma inspeção minuciosa:
(i) validade definida pelo fabricante,
(ii) validade do produto dep…

Desafio um ano sem compras - Mar/18

Agora já foram três meses do Desafio e, incrivelmente e sem eu perceber, 1/4 do "um ano sem compras" já passou!

Olha, não vou dizer que está moleza, porque não está: tem horas que eu quase sucumbo à vontade de mandar tudo às favas e levar para casa aquele vestido lindo, ou a saia maravilhosa...

Mas veja bem, eu disse quase
Tenho passado por ondas de desejo nas vezes em que vejo minha irmã experimentando peças em uma loja legal. Daí que eu 'choro, resmungo, esperneio', etc., mas no fim mantenho a carteira fechada e saio de mãos abanando.

A maior conquista deste desafio está sendo conseguir frear o impulso da compra, por mais que na hora isso me deixe abalada.


E sabe, as regras que estabeleci antes de começar o Desafio também ajudaram a diminuir a pressão... Principalmente o item Paetês, que foi muito explorado: comprei camisetas, casaco e sapatos - mas veja bem, é TUDO paetês, item permitido, não houve trapaça.

Outra coisa incrível foi a redução de gastos do cartão d…

Trend Inverno/18: xadrez

Este é o inverno das padronagens xadrezas, olha a coleção outono/2018 da Miu Miu:
Este artigo da L'Officiel vai lhe informar bem sobre estilos e modelagens. Se você estiver procurando roupas nessa estampa, a Zara costuma ter tudo que é novidade, provavelmente você encontrará muitas peças por lá.

Entretanto, se você prefere um toque mais discreto ao invés do look completo, os sapatos em tartan - aquele xadrez bem invernal inspirado no vestuário escocês - são uma boa pedida.

Esta semana a vitrine da Santa Lolla estava lotada com vários sapatos nessa estampa:
Sapatilhas, R$100 cada - a branca está linda! Com caveira, R$170 - pena que tem o bico muito redondo, isso infantiliza o look Lindo sneaker, uma cor ótima e com um toque de tartan - R$150 Olha essa mochila, que fofa! - R$300 E que tal este slip on? - R$130
Pesquisando em diversas lojas encontram-se inúmeras opções, desde Burberry até Moleca, olha só:
Tênis de couro com detalhe xadrez, Burberry - R$2.650 - na Farfetch

Acima Luiz…