Pular para o conteúdo principal

Além da zona de conforto

Estou um tanto cansada de pertencer a um lugar imaginário denominado ‘média’. Faço parte da classe média, estou na meia idade, minha casa é medianamente confortável, me sinto medianamente feliz, medianamente segura, medianamente produtiva, pertenço a uma família medianamente “normal”, e por aí vai; mas afinal, o que é estar na média? Vamos para os referenciais?


Em tempos de colégio ou faculdade, para passar de ano tínhamos que atingir uma nota média; se você não conseguisse essa média, você ficava em recuperação, e se não recuperasse, reprovava. Não era necessário o esforço para alcançar a nota máxima, bastava que você atingisse o lugar comum onde a maioria dos estudantes encontrava-se, bastava estar onde a maioria estivesse.
Houve um tempo em que eu ingenuamente considerava que a média era um bom patamar a se atingir; hoje, mais crítica, me parece que estar na média tem um sentido de estar na mediocridade. Soa ser o mínimo, viver o mínimo, aventurar-se o mínimo, crescer o mínimo, desenvolver-se o mínimo, mas claro, tudo isso emoldurado pela zona de conforto. Mas poderíamos usar uma outra palavra, um sinônimo para essa zona de conforto; poderíamos dizer que essa vivência mediana acontece em um lugar delimitado por uma cerca.

A cerca é, sem duvida, uma herança cultural que imediata e inconscientemente tomamos como verdade e como normalidade, e raramente temos a curiosidade de ficar na ponta dos pés e espiar que mundo há além da cerca. Porque além dela há a vastidão de espaço e de possibilidades, há o não conhecido e o não descoberto, o não experimentado, o não controlado, e o medo é um dos aliados mais seguros a nos manter confinados nesse pequeno território; o medo é o mobiliário da zona de conforto, ou talvez mais, é o seu revestimento.

Mas há outros. Quando nos encontramos em um momento x de nossas vidas em que o tédio parece que chegou para ficar, em que o tom acinzentado da cerca deixa tudo nublado, um momento onde ficamos tão desacorçoados que temos um ímpeto de esgueirar o olhar para além dela... vem a culpa, e prontamente junta-se ao medo. Aí está feita a confusão, somos nocauteados por essa dupla dinâmica de medo e culpa, que nos imobiliza de tal maneira que prontamente voltamos para o nosso cercadinho, e o que é pior, voltamos para um lugar de onde sequer saímos. E aplacamos a angústia repetindo a nós mesmos a ladainha de nossos avós, de nossos pais, de que não é seguro aventurar-se, de que temos tudo que precisamos onde estamos, de que a vida é assim, de que todos vivem assim, e de novo a história se repete porque somos a voz que faz ecoar a repetição.
Acorda menina, acorda, diz a voz dentro de mim, a voz que mora no meu coração, a voz da mulher sábia que não conhece o cerceamento porque a ele não se submete. Ouça a voz do ser que habita em você, que também te diz: acorda menina, acorda menino, acorda!! O mundo é do tamanho do teu sonho, é tão vasto quanto o teu coração!

_________________________________________________________________________________

Texto de Ana Amorim: Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos.

Comentários

Postagens mais visitadas

Julho sem Desafio

De uma hora para outra me vi precisando muito de itens que não tinha, e os culpados disso são:
frio!!! Este ano o frio pegou mesmomudança de pesoreposição de lingerie e de camiseta para dormirmãe querendo iPad Depois de constatar o acima, e mesmo sendo as substituições liberadas do Desafio, achei melhor fazer uma pausa para resolver definitivamente tudo o que era preciso.


❄ O frio me pegou de surpresa, descobri que não tinha mais que uma malha de cashmere e as camisetas de manga longa eram fininhas, ou seja: não dava para sobreviver só com isso nesta temperatura baixa -- pelo menos não de uma forma fashion.
Esta época é conhecida pelo look cebola: tudo usado junto, roupa em cima de roupa, na tentativa de se agasalhar ao máximo. Não gosto desse método, muitas vezes as peças não combinam nada entre si e o resultado é, para dizer o mínimo, bem ruim.
Entendem o que digo?
Depois de malhas, outra substituição necessária: calças jeans. Emagreci um pouco e elas ficaram largas na cintura e sobra…

Destralhe digital e real

Que incrível que é mudar os parâmetros que nos acompanharam a vida inteira, não é? Ultimamente só consigo pensar em diminuir meus pertences, exatamente o contrário do que sempre fiz.


Em Maio eu estava aqui reclamando da dificuldade que estava enfrentando para deletar arquivos no computador. Update: O destralhe digital ainda está acontecendo, mas a passos de tartaruga...
São dias e dias focada em textos, em dígitos, sentindo que estou sempre na mesma: o que eu limpei ainda é muito pouco frente ao montante de arquivos.

E acho que foi isso que me fez acordar uma manhã animadíssima para destralhar objetos.
Coisas palpáveis são muito mais fáceis de limpar, e ainda se vê claramente o resultado (ao contrário do digital).


Comecei juntando todos os meus cosméticos e afins, que estavam distribuídos por 4 lugares diferentes (olha só que coisa mais errada! 😱). Sentei no chão com eles e todos passaram por uma inspeção minuciosa:
(i) validade definida pelo fabricante,
(ii) validade do produto dep…

Dicas de presente para terceira idade - I

I- Para uma senhora idosa ativa

Pessoas mais idosas são difíceis de presentear pois os itens escolhidos têm que ser muito bem pensados para que não se tornem mais um estorvo dentro da casa ou do armário.
Vale aqui a mesma coisa que pensamos quando estamos procurando algo para alguém mais jovem: qual a rotina da pessoa? qual seu hobby? do que ela gosta mais?

Para as pessoas da terceira idade que mantém rotina agitada as opções são maiores. Sei disso porque meus pais têm quase 90 anos e são super ativos, viajam, lêem, assistem filmes. Sempre mais fácil presentear nesses casos. Com quem você tem intimidade estão liberados os itens de MODA como roupas, bolsas e sapatos. Aqui seguem ideias para presentear uma idosa ativa, porém não tão íntima para escolhermos os itens acima.


Colares
Adoro senhorinhas com muitos colares ou com peças bem coloridas. É uma época da vida em que você não tem que seguir moda, você FAZ sua moda.   Este acima seria perfeito para minha mãe, que gosta de cristais e br…

As críticas feitas ao Método KonMari

Como em um mesmo dia li duas críticas ao método de destralhamento e organização de Marie Kondo, ficou claro que está havendo uma facção contrária à numerosa corrente que a aprova e admira.

Um post diz que o método KonMari não faz a pessoa se tornar minimalista. E a explicação é que se você opta por guardar o que faz seus olhos brilharem, pode guardar muito mais coisas além do que seria estritamente necessário e essencial para sua vida.
O outro[a foto acima é desse artigo] é ainda mais incisivo e seu link diz ser "anti-marie-kondo-joy-of-clutter". Neste caso, a autora defende não haver nada de errado em termos quartos cheios de relíquias e peças colecionáveis. E ironiza ao dizer que o processo proposto pela japonesa de se agradecer aos objetos antes de doá-los chegou a um nível acima na antropomorfização.

Não sou advogada contratada para defender a Kondo e seu método [risos], mas me senti impelida a escrever porque não concordo com nada disso acima.

Ambientes ou armários abar…

Tênis branco

Se vocês acompanham qualquer site ou blog de Moda já devem estar cansadas de saber que o tênis branco virou um hit. Ele está sendo usado com tudo: calças, saias, vestidos curtos ou longos, alfaiatarias, shorts, jeans, etc. Nesta imagem do blog Futilish se vê bem a versatilidade:

Como esse tênis é para ser calçado com aquela meia quase sem cano, baixíssima, ou sem meia alguma, acho que alguns modelos simplesmente não rolam. O All Star, por exemplo. Eu o acho lindo, mas ele acaba com os calcanhares!
Por isso achei interessante mostrar esta opção aqui:
Tênis Corello por R$220.
Lindinho e parece ser bem macio pois tem calcanhar e entorno do pé acolchoado. Além de ser um modelo bem feminino e totalmente street (ou seja, nada a ver com tênis específico para academia), o que é obrigatório para se fazer bonito nessa moda.
E aí, gostou? Já tem o seu?