Pular para o conteúdo principal

Entre mulheres


Na minha experiência clínica com crianças e pré-adolescentes sempre me chamou a atenção a maneira como meninos e meninas se relacionam entre seus iguais. Os meninos tendem a ser mais parceiros entre si, a estarem mais abertos para o grupo sem tanta necessidade de eleger um melhor amigo; a competição é mais direta e explicita e, portanto, mais bem resolvida. Já o universo das meninas tende a mostra-se mais complexo, com relações mais instáveis, permeadas por competições de teor mais subjetivo, por disputas de posse da melhor amiga, de comparações para saber quem tem o cabelo mais liso, quem é a mais esperta, a mais engraçada, a mais popular, a que tira melhor nota e assim por diante.
 
A sensação que tenho é que há uma herança inconsciente que acabamos herdando e que provoca em nós mulheres insegurança em relação a nós mesmas, e uma necessidade de disputarmos um lugar ao sol (ou seja, um lugar no universo masculino) com as nossas “rivais”. Em função disso desde cedo já desenvolvemos aptidões específicas para julgar, condenar, excluir, disputar, nomear, etc., etc.

Esse processo é bastante sofrido porque tendemos a desenvolver uma desconfiança que nos persegue durante um bom período da vida e dificulta nossas relações; só mais tarde, já na maturidade, descobrimos a força do vínculo entre mulheres, a possibilidade regenerativa, curadora que essa amizade e convivência exercem sobre nós. É como se nesse momento nos aproximássemos de nossas ancestrais, das velhas mulheres sábias, curandeiras, benzedeiras, matriarcas, que possuíam uma profunda relação com a terra e a natureza, que cuidavam da manutenção da vida e da família, e exalavam amor, força e poder. É a possibilidade do resgate do feminino sagrado, íntegro, que não exclui o masculino mas o incorpora na dança do yin e yang.

Mas por que estou falando sobre isso? Porque li durante a semana que passou vários artigos sobre o que aconteceu com a Luiza Brunet, que segundo consta foi espancada pelo então companheiro de cinco anos. Li a entrevista dela, a declaração dele e uma enxurrada de comentários. Tudo muito triste porque nada parece fazer sentido; na verdade a violência nunca faz o menor sentido.

Tão pouco faz sentido pensarmos qualquer coisa separadamente, de maneira dissociada. Há neste episódio a constatação do quanto ainda precisamos crescer para conquistarmos a possibilidade de relações íntegras. De um lado a voz de homens e mulheres carregados da herança cultural deste modelo de sociedade, que apontam o dedo para ela, que questionam que tipo de comportamento ela teve para “provocar” a fúria desse companheiro, como se a fúria irracional, a violência sob qualquer forma fossem passíveis de serem justificadas.
Do outro lado, mulheres que carregam a bandeira do feminismo de uma forma muito parecida com que os homens vem carregando a bandeira do machismo, também cheias de fúria, colocando a mulher Luiza como vítima, como se nós mulheres precisássemos continuar ocupando esse lugar na historia. Uma mulher descolada, inteligente, culta, financeiramente bem estabelecida, viajada, enfim, uma mulher que ocupa um lugar no mundo muito diferente das que vivem na periferia das grandes cidades, encarceradas por seus supostos companheiros.
Enquanto insistirmos em colocar um algoz de um lado e uma vitima do outro, distantes ficaremos da possibilidade de compreensão e resolução dos dramas humanos.

_________________________________________________________________________________


Texto de Ana Amorim: Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos.

 

Comentários

Postagens mais visitadas

Minimalismo por que?

Fui atraída pelo assunto Minimalismo após ler posts de moda que tratavam sobre consumo excessivo e ter ficado refletindo sobre a grande relevância desse assunto. Em seguida me empenhei na leitura de diversos blogs sobre o tema.
O interesse por algo diferente do seu cotidiano não acontece do nada: alguma coisa está mudando em você, ou lhe incomodando, criando a necessidade de transformação, de outro enfoque.
No meu caso, vejo agora, duas correntes complementares causaram isso: meu amor por organização + o desagrado com a maioria das compras de roupas que eu vinha fazendo.
O método da Marie Kondo ajudou a destralhar meu guarda-roupa e escritório. No entanto, ainda falta... Sinto que posso fazer melhor, que há mais a ser retirado das estantes. E a quantidade absurda de roupas que foi removida do armário, muitas delas sem uso, fez com que eu tivesse de encarar de frente que meus hábitos de consumo estavam equivocados [para falar o mínimo].
Ou seja: cansei de lutar para manter a organizaç…

Julho sem Desafio

De uma hora para outra me vi precisando muito de itens que não tinha, e os culpados disso são:
frio!!! Este ano o frio pegou mesmomudança de pesoreposição de lingerie e de camiseta para dormirmãe querendo iPad Depois de constatar o acima, e mesmo sendo as substituições liberadas do Desafio, achei melhor fazer uma pausa para resolver definitivamente tudo o que era preciso.


❄ O frio me pegou de surpresa, descobri que não tinha mais que uma malha de cashmere e as camisetas de manga longa eram fininhas, ou seja: não dava para sobreviver só com isso nesta temperatura baixa -- pelo menos não de uma forma fashion.
Esta época é conhecida pelo look cebola: tudo usado junto, roupa em cima de roupa, na tentativa de se agasalhar ao máximo. Não gosto desse método, muitas vezes as peças não combinam nada entre si e o resultado é, para dizer o mínimo, bem ruim.
Entendem o que digo?
Depois de malhas, outra substituição necessária: calças jeans. Emagreci um pouco e elas ficaram largas na cintura e sobra…

Destralhe digital e real

Que incrível que é mudar os parâmetros que nos acompanharam a vida inteira, não é? Ultimamente só consigo pensar em diminuir meus pertences, exatamente o contrário do que sempre fiz.


Em Maio eu estava aqui reclamando da dificuldade que estava enfrentando para deletar arquivos no computador. Update: O destralhe digital ainda está acontecendo, mas a passos de tartaruga...
São dias e dias focada em textos, em dígitos, sentindo que estou sempre na mesma: o que eu limpei ainda é muito pouco frente ao montante de arquivos.

E acho que foi isso que me fez acordar uma manhã animadíssima para destralhar objetos.
Coisas palpáveis são muito mais fáceis de limpar, e ainda se vê claramente o resultado (ao contrário do digital).


Comecei juntando todos os meus cosméticos e afins, que estavam distribuídos por 4 lugares diferentes (olha só que coisa mais errada! 😱). Sentei no chão com eles e todos passaram por uma inspeção minuciosa:
(i) validade definida pelo fabricante,
(ii) validade do produto dep…

Desafio um ano sem compras - Mar/18

Agora já foram três meses do Desafio e, incrivelmente e sem eu perceber, 1/4 do "um ano sem compras" já passou!

Olha, não vou dizer que está moleza, porque não está: tem horas que eu quase sucumbo à vontade de mandar tudo às favas e levar para casa aquele vestido lindo, ou a saia maravilhosa...

Mas veja bem, eu disse quase
Tenho passado por ondas de desejo nas vezes em que vejo minha irmã experimentando peças em uma loja legal. Daí que eu 'choro, resmungo, esperneio', etc., mas no fim mantenho a carteira fechada e saio de mãos abanando.

A maior conquista deste desafio está sendo conseguir frear o impulso da compra, por mais que na hora isso me deixe abalada.


E sabe, as regras que estabeleci antes de começar o Desafio também ajudaram a diminuir a pressão... Principalmente o item Paetês, que foi muito explorado: comprei camisetas, casaco e sapatos - mas veja bem, é TUDO paetês, item permitido, não houve trapaça.

Outra coisa incrível foi a redução de gastos do cartão d…

Trend Inverno/18: xadrez

Este é o inverno das padronagens xadrezas, olha a coleção outono/2018 da Miu Miu:
Este artigo da L'Officiel vai lhe informar bem sobre estilos e modelagens. Se você estiver procurando roupas nessa estampa, a Zara costuma ter tudo que é novidade, provavelmente você encontrará muitas peças por lá.

Entretanto, se você prefere um toque mais discreto ao invés do look completo, os sapatos em tartan - aquele xadrez bem invernal inspirado no vestuário escocês - são uma boa pedida.

Esta semana a vitrine da Santa Lolla estava lotada com vários sapatos nessa estampa:
Sapatilhas, R$100 cada - a branca está linda! Com caveira, R$170 - pena que tem o bico muito redondo, isso infantiliza o look Lindo sneaker, uma cor ótima e com um toque de tartan - R$150 Olha essa mochila, que fofa! - R$300 E que tal este slip on? - R$130
Pesquisando em diversas lojas encontram-se inúmeras opções, desde Burberry até Moleca, olha só:
Tênis de couro com detalhe xadrez, Burberry - R$2.650 - na Farfetch

Acima Luiz…