Poeira de estrelas


Há alguns dias a sonda Juno conseguiu entrar em órbita ao redor do planeta Júpiter, depois de 5 anos de viagem.
Uma missão cara, mais de um bilhão de dólares investidos, para descobrir dados sobre a quantidade de água e amônia, mapear o campo magnético do gigante gasoso e sobretudo para obter informações sobre o desenvolvimento do sistema solar, sobre nossa origem.
A busca de respostas sobre os mistérios da vida sempre fascinou o ser humano. Hoje, graças à tecnologia, podemos ver o balé dos 67 satélites em volta de Júpiter. Imagens enviadas por Juno vão sendo repassadas pela NASA e chegam até nós através da Internet. Dados alucinantes: uma mancha vermelha visível à superfície de Júpiter é causada por uma tempestade gerada por correntes contrárias de ventos há 350 anos. Seu tamanho? Um planeta Terra! Distâncias inconcebíveis, tamanhos impensáveis. Falar do espaço é romper totalmente com nossas conhecidas noções de proporcionalidade.

É também um exercício de humildade. Que importância pode ter uma disputa sobre “quem tem razão” diante da imensidão do universo? As pequenas preocupações que ocupam a mente no cotidiano voltam ao nada original. De nariz para cima, de olhos no céu, somos um pouco mais sábios.
Podemos também experimentar uma certa cumplicidade, a sensação de “pertencer” a algo maior, de sermos poeira de estrelas, parte da alma desse universo. Um sentido oculto parece emanar da imensidão, um sentido que não pode ser explicado racionalmente, com palavras. Uma percepção de grandeza, que vem da vastidão do céu. Momentos de divagação, de gratidão, de irmandade me lembram que a vida é muito mais do que a correria diária.

Quando as ocorrências do dia a dia parecerem fundamentais, quando o ego espernear desconsolado ou se vangloriar por alguma conquista, quando, por ora, perdermos o sentido do que realmente importa, há sempre um simples caminho de volta: olhar para o céu e encontrar esse belíssimo conselheiro.
______________________________________________________________________________________
  

Texto de Marise Ribeiro: professora e tradutora de Francês, instrutora de Being Energy

Comentários