Pular para o conteúdo principal

Dia dos Pais


Depois de um intervalo sem escrever para este blog, ainda retomando o ritmo pós férias, decidi sentar e fazer um texto sobre o dia dos pais. Devo confessar que estou tendo certa dificuldade em abordar o tema, afinal esse universo não é tão familiar; sou mulher, mãe, e apenas transito pelo mundo masculino sem a ele pertencer; é sempre mais tranquilo navegar por águas já conhecidas.

Para pegar o fio da meada recorro à figura de meu pai, hoje com seus 94 anos, lúcido para quem já viveu quase um século. Imigrante português, chegou ao Brasil já homem feito, segundo ele vislumbrando possibilidades que não encontrava em seu país de origem naquele momento. Pessoa simples, de família grande com profunda ligação com a terra, veio decidido a construir seu futuro e assim o fez. Capricorniano determinado, teimoso, trabalhador incansável, honesto, correto, traz a marca de um povo que sofreu as consequências indiretas da guerra e a necessidade de sobreviver a todas as suas restrições. Como ele mesmo diz e provou ao longo destes anos nunca teve medo do trabalho, se entregou a ele, construiu para nossa família uma estrutura que nos permitiu usufruir de facilidades e oportunidades que ele mesmo não teve.

É um homem que se identificou com o papel de pai nos modelos daquela época; único provedor da família, dedicou-se ao trabalho tanto quanto minha mãe dedicou-se a cuidar da educação dos filhos e da organização da casa. Não participou de perto das nossas vidas, mas garantiu o sustento, foi o transmissor da lei e da ordem (ah Freud!), nos levava à noite para a cama e ao parque nos finais de semana. Sempre viajávamos nas férias, meu pai dirigia horas e horas por esse Brasil afora, fomos para o Sul, Sudeste, Centro Oeste com ele na direção, firme e seguro. Tenho doces lembranças dessas inúmeras viagens e me sinto suficientemente abastecida como filha e profundamente feliz por ainda usufruir da sua companhia.

A ele rendo minha gratidão e a homenagem pelo dia de hoje, assim como rendo minha homenagem a todos os homens que se dedicam à árdua tarefa de serem pais em um momento onde os papéis não são mais tão definidos. O homem perdeu o lugar de ser o único ou o principal provedor da família e ganhou espaço dentro da organização familiar. Se por um lado divide com a mulher a construção da ascensão profissional, por outro também divide com ela a responsabilidade do cuidado dos filhos e da casa.

Em tempos de constantes mudanças é difícil encontrar um ponto de equilíbrio, descobrir o caminho do meio. Os desafios do pai de hoje são complexos, o velho modelo tem que ser repaginado sem perder seu significado. O homem que hoje abraça a paternidade tem que redescobrir seu lugar, reinventar seu papel. 
Precisa cuidar da carreira sem descuidar da família, ser próximo dos filhos sem perder a autoridade, representar a autoridade sem ser autoritário, ser amigo sem virar “coleguinha”, interditar o que precisa de interdição, aprender a flexibilizar e adaptar-se à rapidez com que os conceitos mudam, discriminar o que é perene do que é passageiro, o que pode ser concedido do que não tem concessão, o que é negociável do que não tem negociação, e tantas outras nuances e detalhes implícitos na relação. A todos esses homens que não se cansam de buscar o ponto de equilíbrio no exercício diário da paternidade, que recebam como presente a presença dos filhos, o reconhecimento afetivo da preciosidade dessa relação, não só no dia de hoje mas no decorrer da vida!
_________________________________________________________________________________

Texto de Ana Amorim: Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos.

Comentários

Postagens mais visitadas

Julho sem Desafio

De uma hora para outra me vi precisando muito de itens que não tinha, e os culpados disso são:
frio!!! Este ano o frio pegou mesmomudança de pesoreposição de lingerie e de camiseta para dormirmãe querendo iPad Depois de constatar o acima, e mesmo sendo as substituições liberadas do Desafio, achei melhor fazer uma pausa para resolver definitivamente tudo o que era preciso.


❄ O frio me pegou de surpresa, descobri que não tinha mais que uma malha de cashmere e as camisetas de manga longa eram fininhas, ou seja: não dava para sobreviver só com isso nesta temperatura baixa -- pelo menos não de uma forma fashion.
Esta época é conhecida pelo look cebola: tudo usado junto, roupa em cima de roupa, na tentativa de se agasalhar ao máximo. Não gosto desse método, muitas vezes as peças não combinam nada entre si e o resultado é, para dizer o mínimo, bem ruim.
Entendem o que digo?
Depois de malhas, outra substituição necessária: calças jeans. Emagreci um pouco e elas ficaram largas na cintura e sobra…

Destralhe digital e real

Que incrível que é mudar os parâmetros que nos acompanharam a vida inteira, não é? Ultimamente só consigo pensar em diminuir meus pertences, exatamente o contrário do que sempre fiz.


Em Maio eu estava aqui reclamando da dificuldade que estava enfrentando para deletar arquivos no computador. Update: O destralhe digital ainda está acontecendo, mas a passos de tartaruga...
São dias e dias focada em textos, em dígitos, sentindo que estou sempre na mesma: o que eu limpei ainda é muito pouco frente ao montante de arquivos.

E acho que foi isso que me fez acordar uma manhã animadíssima para destralhar objetos.
Coisas palpáveis são muito mais fáceis de limpar, e ainda se vê claramente o resultado (ao contrário do digital).


Comecei juntando todos os meus cosméticos e afins, que estavam distribuídos por 4 lugares diferentes (olha só que coisa mais errada! 😱). Sentei no chão com eles e todos passaram por uma inspeção minuciosa:
(i) validade definida pelo fabricante,
(ii) validade do produto dep…

Dicas de presente para terceira idade - I

I- Para uma senhora idosa ativa

Pessoas mais idosas são difíceis de presentear pois os itens escolhidos têm que ser muito bem pensados para que não se tornem mais um estorvo dentro da casa ou do armário.
Vale aqui a mesma coisa que pensamos quando estamos procurando algo para alguém mais jovem: qual a rotina da pessoa? qual seu hobby? do que ela gosta mais?

Para as pessoas da terceira idade que mantém rotina agitada as opções são maiores. Sei disso porque meus pais têm quase 90 anos e são super ativos, viajam, lêem, assistem filmes. Sempre mais fácil presentear nesses casos. Com quem você tem intimidade estão liberados os itens de MODA como roupas, bolsas e sapatos. Aqui seguem ideias para presentear uma idosa ativa, porém não tão íntima para escolhermos os itens acima.


Colares
Adoro senhorinhas com muitos colares ou com peças bem coloridas. É uma época da vida em que você não tem que seguir moda, você FAZ sua moda.   Este acima seria perfeito para minha mãe, que gosta de cristais e br…

Tênis branco

Se vocês acompanham qualquer site ou blog de Moda já devem estar cansadas de saber que o tênis branco virou um hit. Ele está sendo usado com tudo: calças, saias, vestidos curtos ou longos, alfaiatarias, shorts, jeans, etc. Nesta imagem do blog Futilish se vê bem a versatilidade:

Como esse tênis é para ser calçado com aquela meia quase sem cano, baixíssima, ou sem meia alguma, acho que alguns modelos simplesmente não rolam. O All Star, por exemplo. Eu o acho lindo, mas ele acaba com os calcanhares!
Por isso achei interessante mostrar esta opção aqui:
Tênis Corello por R$220.
Lindinho e parece ser bem macio pois tem calcanhar e entorno do pé acolchoado. Além de ser um modelo bem feminino e totalmente street (ou seja, nada a ver com tênis específico para academia), o que é obrigatório para se fazer bonito nessa moda.
E aí, gostou? Já tem o seu?

As críticas feitas ao Método KonMari

Como em um mesmo dia li duas críticas ao método de destralhamento e organização de Marie Kondo, ficou claro que está havendo uma facção contrária à numerosa corrente que a aprova e admira.

Um post diz que o método KonMari não faz a pessoa se tornar minimalista. E a explicação é que se você opta por guardar o que faz seus olhos brilharem, pode guardar muito mais coisas além do que seria estritamente necessário e essencial para sua vida.
O outro[a foto acima é desse artigo] é ainda mais incisivo e seu link diz ser "anti-marie-kondo-joy-of-clutter". Neste caso, a autora defende não haver nada de errado em termos quartos cheios de relíquias e peças colecionáveis. E ironiza ao dizer que o processo proposto pela japonesa de se agradecer aos objetos antes de doá-los chegou a um nível acima na antropomorfização.

Não sou advogada contratada para defender a Kondo e seu método [risos], mas me senti impelida a escrever porque não concordo com nada disso acima.

Ambientes ou armários abar…