Sobre comprar ou não mais roupas

No artigo The Profound Joy of Completion do blog Becoming Minimalist, o autor faz a seguinte pergunta:
Qual foi a vez em que você olhou seu guarda-roupa e pensou, "Yup, já basta. Eu acumulei o suficiente. Estou encerrando as buscas. Está completo."
 
Pensei muito sobre isso e encontrei vários motivos para a resposta nunca ser a acima. Olha só:

1. Desde pequenas nos acostumamos a trocas constantes do conteúdo do guarda-roupa simplesmente pelo fato de que íamos crescendo e as roupas, para nos servir, tinham de ser adquiridas em um tamanho maior. Logo, comprar roupas novas é entendido desde sempre como algo 'esperado e natural'.

2. Na vida adulta vários fatores tornam a troca de peças mandatória: como a entrada no mercado de trabalho que exija um dress code particular; quando engravidamos; enquanto vivemos o tempo dos filhos pequenos e o abaixa-levanta infinito; ao engordar ou emagrecer...

3. A pressão da Moda. Mesmo que você se descadastre de todas as newsletter de e-commerces e deixe de ir a shoppings, a moda ainda assim a alcançará. Ela está nas ruas, nas revistas, na TV, nos filmes. E a sensação de pertencimento é algo muito forte no ser humano - sem nem perceber se começa a querer algo que está à vista o tempo todo.

4.  O fator elogio, o intangível que citei neste post aqui.
 
Dito tudo isso, continuo completamente conflitada com a questão. Não seria perfeito ENTENDER que a gente já tem roupas demais e passar a gastar a energia e dinheiro, que normalmente empregamos na aquisição de mais peças, para fazer algo maior e mais importante?

E, no entanto... roupas, Moda, estamparia, texturas... tudo isso me atrai de forma fortíssima. Será que dá para abdicar de tudo isso, dessas pequenas indulgências, se valendo de um pensamento lógico?

O que você acha?? Adoraria ouvir sua opinião...

Comentários