Livro: Anexos - de Rainbow Rowell

Este livro foi uma grata surpresa e também uma imersão em um passado que já não existe mais, apesar de estar tão próximo.

Ele se passa em 1999, focado na neura das empresas em monitorar os emails de funcionários e o medo do bug do milênio, quando se cogitou que todos os computadores não reconheceriam a data 2000 e parariam de funcionar.
É até estranho lembrar que há tão pouco tempo ainda se usava emails para conversas entre amigas. Hoje em dia isso nem é mais cogitado! Usamos o WhatsApp em seu lugar, não é? [O que faz pensar: será que em menos de 20 anos alguém olhará para nosso vício em WhatsApp e ficará surpreso de como isso acontecia? 😱]

Sinopse
"Oi, eu sou o cara que lê seus e-mails, e, sabe, eu amo você..." Beth Fremont e Jennifer Scribner-Snyder sabem que alguém está monitorando seus e-mails de trabalho. (Todo mundo na redação sabe. É política da empresa.) Mas elas não conseguem levar isso tão a sério, e continuam trocando e-mails intermináveis e infinitamente hilariantes, discutindo cada aspecto de suas vidas. Enquanto isso, Lincoln O'Neill não consegue acreditar que este é agora o seu trabalho – ler os e-mails de outras pessoas. Quando ele se candidatou para ser "agente de segurança da internet", se imaginou construindo firewalls e desmascarando hackers – e não escrevendo um relatório toda vez que uma mensagem esportiva vinha acompanhada de uma piada suja. Quando Lincoln se depara com as mensagens de Beth e Jennifer, ele sabe que deveria denunciá-las. Mas ele não consegue deixar de se divertir e se cativar por suas histórias. No momento em que Lincoln percebe que está se apaixonado por Beth, é tarde demais para se apresentar. Afinal, o que ele diria...?

O livro é um romance leve com ótimos toques de comédia. Sublinhei inúmeros trechos por achá-los inspirados e divertidos. Aliás, nunca destaquei tanto texto em outros livros, o que me dá a visão clara de ter gostado muito do estilo da autora, Rainbow Rowell.

A conversa escrita das duas amigas é interessante e você fica querendo saber mais e mais sobre suas vidas. E o pobre "censor" cai nessa mesma armadilha: não consegue resistir a acompanhar as mensagens das duas, mesmo que estritamente devesse lhes dar uma advertência por usar o email corporativo para uso particular.

Apesar do final ter sido meio improvável, o conjunto da obra mereceu o máximo de estrelas. Divirta-se! 😀
Livro n.18/2017: ⭐ 5 de 5 estrelas

Petiscos:
"- Lincoln, você está com uma aparência terrível.
 - Obrigado, mãe."

"A maior preocupação dos chefes de Greg com relação à internet era que agora ficara impossível distinguir uma sala cheia de gente trabalhando diligentemente de uma sala cheia de pessoas fazendo o teste de personalidade online 'Que tipo de cachorro sou eu?'"

"Fiquei admirando a Baby Gap, olhando minúsculas calças capri e suéteres que custam mais do que... sei lá, mais do que deveriam. E fiquei totalmente apaixonada por um casaquinho de pele miudinho, ridículo. O tipo de casaco que um bebê poderia precisar para ir ao balé. Em Moscou. Em 1918."

Comentários

  1. Uau! Que demais! Engraçado pensar que é uma peça já histórica, mas éramos outra sociedade e em início da que temos hoje. Adorei, fiquei curiosa e saudosista. Quero ler!☺️ Beijos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário