Livro: Carry on - de Rainbow Rowell

E depois de um livro pesado [Nem tudo será esquecido], algo bem levinho. Escolhi a autora Rainbow Rowell pelos livros que já li dela, e esperava algo lúdico e de bom astral.

Sinopse:
Simon Snow é um bruxo que estuda numa escola de magia na Inglaterra. Profecias dizem que ele é o Escolhido. Você pode até estar pensando que já conhece uma história parecida. O que você não sabe é que Simon Snow é o pior escolhido que alguém já escolheu. Poderosíssimo, mas desastroso a ponto de não conseguir controlar sequer sua própria varinha, Simon está tendo um ano difícil na Escola de Magia de Watford. Seu mentor o evita, sua namorada termina com ele e uma entidade sinistra ronda por aí usando seu rosto. Para piorar, seu antagonista e colega de quarto, Baz, está desaparecido, provavelmente maquinando algum plano insano a fim de derrotá-lo. ''Carry on'' é uma história de fantasma, de amor e de mistério. Tem todos os beijos e diálogos que se pode esperar de uma história de Rainbow Rowell, mas com muito, muito mais monstros.

É um livro YA - Young Adult -, mas já expliquei que também gosto desse tipo de literatura. Acho que a gente nunca deixa realmente de ser um pouco adolescente e as descrições das dificuldades, das paixões e das conquistas sempre trazem um gosto bom dessa época da vida.
E como gosto de magos e magia, o livro parecia perfeito. Então, o que deu errado?

Vou contar um pouco do enredo para você:
  • Há um menino que está no último ano da escola de magia e que é conhecido como o Escolhido. Órfão, viveu em instituições de 'normais' até ser resgatado aos 11 anos pelo diretor da Escola de Magia, quando se juntou ao mundo mágico. Nas férias sempre voltou para o mundo dos normais, só retornando no ano letivo seguinte. Ninguém sabia exatamente por que ele era tão poderoso. Ele já tinha conseguido dominar dragões e escapar de várias emboscadas que pretendiam matá-lo. O diretor da Escola o tinha como protegido e esperava-se que ele conseguisse vencer o inimigo das forças do mal que estava tentando acabar com o mundo mágico tal como era conhecido até agora. 
Muito bem, lembrou de algo? É Harry Potter ipsis litteris!!!
Isso me aborreceu um bocado. Não dava para mudar alguma coisa? Sei lá, isso é igual demais!

Bom, o que posso dizer é que me distraí com o livro, apesar dos pesares. Diferente de HP é o foco em casais homoafetivos - sendo que um deles se forma do jeito mais improvável possível: um caso de "eu te odeio" que vira "eu te amo" num átimo, sem razão alguma. Enfim, YA...

Livro n.29/2017: ⭐ 3 de 5 estrelas
(pelas horas de fuga da realidade)

Comentários