Livro: A vida do livreiro A.J. Fikry - de Gabrielle Zevin

Como você escolhe seus livros? Minhas escolhas se dão ou por recomendações lidas na internet, ou entro na livraria online e busco por obras dentro dos gêneros que gosto. Aí, busco somente os que têm 4 ou 5 estrelas (pontuação máxima no site Amazon) - apesar de já ter lido alguns azarões - e escolho pelo título, pela capa e pela sinopse disponível nos sites. O que não garante nada: a sinopse deste dá ideia de uma narrativa leve e interessante. Porém...

Sinopse:
“Livrarias atraem o tipo certo de gente”. É o que descobre A. J. Fikry, dono de uma pequena livraria em Alice Island. O slogan da sua loja é “Nenhum homem é uma ilha; Cada livro é um mundo”. Apesar disso, A. J. se sente sozinho, tudo em sua vida parece ter dado errado. Até que um pacote misterioso aparece na livraria. A entrega inesperada faz A. J. Fikry rever seus objetivos e se perguntar se é possível começar de novo. Aos poucos, A. J. reencontra a felicidade e sua livraria volta a alegrar a pequena Alice Island. Um romance engraçado, delicado e comovente, que lembra a todos por que adoramos ler e por que nos apaixonamos.

Concordo com esse resumo até chegar à sua última frase, que não faz sentido: não vi romance engraçado e que lembra porque adoramos ler... Na verdade, achei a história triste, além de ter um final um tanto forçado. Mesmo assim, considero um livro interessante, no seu todo.

O livreiro do título é um anti-herói: sua vida é cheia de desilusões e ele próprio é mal humorado e ranzinza. No entanto, sua paixão por livros é imensa e ele se dedica totalmente ao seu negócio, tentando incutir o hábito da leitura nos moradores da pequena ilha onde sua loja está fixada. 

Ao longo do volume, um grande número de livros são citados por ele e tenho certeza que foram escolhidos à dedo pela autora, por suas qualidades. Apesar disso, não me animei a procurá-los - as citações foram tantas que não consegui acompanhar tanta informação e acabei por não buscar nenhum. 

A capa deste volume é linda, onde livros abertos se mostram como portas (portais?), o que remete diretamente ao slogan da pequena livraria de Alice Island: “Nenhum homem é uma ilha; Cada livro é um mundo”. #true


Livro n.34/2017: ⭐ 4 de 5 estrelas 

Comentários