Pular para o conteúdo principal

Livro: 3 títulos que não recomendo

Às vezes as resenhas e sinopses dos livros nos induzem a erro. Estes três casos abaixo ilustram isso. Comprei-os interessada na trama informada e, no entanto, a leitura não foi satisfatória nem conseguiu me prender.

 

Aprendiz de cozinheiro - Bob Spitz
Sinopse:
Para o jornalista Bob Spitz, o fim de um longo casamento e a crise dos 50 anos chegaram juntos. E isso ainda coincidiu com o momento em que terminou de escrever sua aclamada biografia dos Beatles. Sozinho, sem saber como seguir adiante, resolveu atravessar o Atlântico e se dedicar a uma grande paixão: cozinhar. Spitz partiu para uma viagem pelas melhores escolas de culinária da França e da Itália. Teve aulas com grandes chefs em pequenas cozinhas domésticas de charmosas vilas do interior e em famosos restaurantes de Paris. Como bom jornalista, conseguiu extrair dos mestres seus mais valiosos segredos, que generosamente divide com o leitor em 25 receitas: de técnicas como o preparo da omelete perfeita a pratos exclusivos e deliciosos. Pelo caminho, visitou regiões belíssimas, como a Provença, a Borgonha, a Toscana. Com grande dose de ironia e bom humor, ele revela como essa aventura incrível o ajudou a superar a angústia e a desilusão amorosa, além de reencontrar o rumo de sua vida – e de sua cozinha! 

Por essa sinopse imaginei uma história de superação e realização, pontuada por um texto leve e envolvente.
O que encontrei foi um autor irascível, personagens neuróticos e termos de cozinha só conhecidos por profissionais. Me senti enganada pela resenha da Editora. Foi tão chato que não consegui terminar a leitura.


Remetente n.°15 - vários aut.
Sinopse:
Um investigador encontra 14 cartas com algo em comum: seus remetentes estão desaparecidos.
Mas ainda há mais um.
Quem será o Remetente N.15?
A cada carta, um novo autor.


A ideia é boa, mas os autores convidados a escrever, um capítulo cada, não entregam um texto razoável em inúmeros casos. Fora que muitos tiveram exatamente a mesma ideia e os textos começam quase iguais. O final é bom e inesperado, mas não vale o sofrimento de todo o meio...


As histórias que me ensinaram a viver - Jorge Bucay
Sinopse:
Demián é um jovem cheio de conflitos e questionamentos. Cansado de terapias convencionais, segue a indicação de uma amiga e procura Jorge, um psicólogo com fama de ser pouco ortodoxo. O método terapêutico de Jorge é peculiar: para transmitir seus ensinamentos e fazer o paciente refletir sobre sua vida a partir de uma perspectiva diferente, ele conta histórias clássicas, populares, antigas, modernas, famosas ou inventadas. A cada consulta, Demián expõe suas angústias e Jorge responde com um conto que mostra ao jovem como lidar com seus sentimentos e abrir a mente para novas maneiras de encarar os problemas.
De maneira engenhosa, Jorge Bucay cria uma obra brilhante por sua simplicidade. Como o livro é ambientado no consultório do fictício terapeuta, o autor nos transforma em pacientes, pois, junto com Demián, temos a chance de aprender valiosas lições por meio de suas histórias.


As histórias de consultório de psicologia/psiquiatria costumam dar bons livros, como atestam os textos de Irvin D. Yalom.
Não é o caso do livro em questão. Aqui, o paciente é mero contrarregra para a entrada das narrativas que o autor quer mostrar. O que surge disso é um livro que desmerece o valor que possam ter as histórias contadas, devido ao esquema tosco que se repete a cada capítulo: paciente chega, faz uma pergunta totalmente fora de contexto, o psicólogo diz que tem um conto para isso e daí segue o relato. Parece livro destinado a crianças! A cada capítulo se repetem "pergunta aleatória-e-historinha". Se fosse somente um livro com as tais histórias, sem essa "introdução" forçada, talvez tivesse dado certo. Dessa forma, só consegue ser irritante, de tão raso e repetitivo.

Livros 31, 32 e 33/2017: ⭐ 1 de 5 estrelas

Comentários

Postagens mais visitadas

Julho sem Desafio

De uma hora para outra me vi precisando muito de itens que não tinha, e os culpados disso são:
frio!!! Este ano o frio pegou mesmomudança de pesoreposição de lingerie e de camiseta para dormirmãe querendo iPad Depois de constatar o acima, e mesmo sendo as substituições liberadas do Desafio, achei melhor fazer uma pausa para resolver definitivamente tudo o que era preciso.


❄ O frio me pegou de surpresa, descobri que não tinha mais que uma malha de cashmere e as camisetas de manga longa eram fininhas, ou seja: não dava para sobreviver só com isso nesta temperatura baixa -- pelo menos não de uma forma fashion.
Esta época é conhecida pelo look cebola: tudo usado junto, roupa em cima de roupa, na tentativa de se agasalhar ao máximo. Não gosto desse método, muitas vezes as peças não combinam nada entre si e o resultado é, para dizer o mínimo, bem ruim.
Entendem o que digo?
Depois de malhas, outra substituição necessária: calças jeans. Emagreci um pouco e elas ficaram largas na cintura e sobra…

Destralhe digital e real

Que incrível que é mudar os parâmetros que nos acompanharam a vida inteira, não é? Ultimamente só consigo pensar em diminuir meus pertences, exatamente o contrário do que sempre fiz.


Em Maio eu estava aqui reclamando da dificuldade que estava enfrentando para deletar arquivos no computador. Update: O destralhe digital ainda está acontecendo, mas a passos de tartaruga...
São dias e dias focada em textos, em dígitos, sentindo que estou sempre na mesma: o que eu limpei ainda é muito pouco frente ao montante de arquivos.

E acho que foi isso que me fez acordar uma manhã animadíssima para destralhar objetos.
Coisas palpáveis são muito mais fáceis de limpar, e ainda se vê claramente o resultado (ao contrário do digital).


Comecei juntando todos os meus cosméticos e afins, que estavam distribuídos por 4 lugares diferentes (olha só que coisa mais errada! 😱). Sentei no chão com eles e todos passaram por uma inspeção minuciosa:
(i) validade definida pelo fabricante,
(ii) validade do produto dep…

Dicas de presente para terceira idade - I

I- Para uma senhora idosa ativa

Pessoas mais idosas são difíceis de presentear pois os itens escolhidos têm que ser muito bem pensados para que não se tornem mais um estorvo dentro da casa ou do armário.
Vale aqui a mesma coisa que pensamos quando estamos procurando algo para alguém mais jovem: qual a rotina da pessoa? qual seu hobby? do que ela gosta mais?

Para as pessoas da terceira idade que mantém rotina agitada as opções são maiores. Sei disso porque meus pais têm quase 90 anos e são super ativos, viajam, lêem, assistem filmes. Sempre mais fácil presentear nesses casos. Com quem você tem intimidade estão liberados os itens de MODA como roupas, bolsas e sapatos. Aqui seguem ideias para presentear uma idosa ativa, porém não tão íntima para escolhermos os itens acima.


Colares
Adoro senhorinhas com muitos colares ou com peças bem coloridas. É uma época da vida em que você não tem que seguir moda, você FAZ sua moda.   Este acima seria perfeito para minha mãe, que gosta de cristais e br…

Tênis branco

Se vocês acompanham qualquer site ou blog de Moda já devem estar cansadas de saber que o tênis branco virou um hit. Ele está sendo usado com tudo: calças, saias, vestidos curtos ou longos, alfaiatarias, shorts, jeans, etc. Nesta imagem do blog Futilish se vê bem a versatilidade:

Como esse tênis é para ser calçado com aquela meia quase sem cano, baixíssima, ou sem meia alguma, acho que alguns modelos simplesmente não rolam. O All Star, por exemplo. Eu o acho lindo, mas ele acaba com os calcanhares!
Por isso achei interessante mostrar esta opção aqui:
Tênis Corello por R$220.
Lindinho e parece ser bem macio pois tem calcanhar e entorno do pé acolchoado. Além de ser um modelo bem feminino e totalmente street (ou seja, nada a ver com tênis específico para academia), o que é obrigatório para se fazer bonito nessa moda.
E aí, gostou? Já tem o seu?

As críticas feitas ao Método KonMari

Como em um mesmo dia li duas críticas ao método de destralhamento e organização de Marie Kondo, ficou claro que está havendo uma facção contrária à numerosa corrente que a aprova e admira.

Um post diz que o método KonMari não faz a pessoa se tornar minimalista. E a explicação é que se você opta por guardar o que faz seus olhos brilharem, pode guardar muito mais coisas além do que seria estritamente necessário e essencial para sua vida.
O outro[a foto acima é desse artigo] é ainda mais incisivo e seu link diz ser "anti-marie-kondo-joy-of-clutter". Neste caso, a autora defende não haver nada de errado em termos quartos cheios de relíquias e peças colecionáveis. E ironiza ao dizer que o processo proposto pela japonesa de se agradecer aos objetos antes de doá-los chegou a um nível acima na antropomorfização.

Não sou advogada contratada para defender a Kondo e seu método [risos], mas me senti impelida a escrever porque não concordo com nada disso acima.

Ambientes ou armários abar…