Insônia

Pois é, logo eu, uma pessoa que nem sabia bem como havia deitado na cama pois imediatamente já estava dormindo, estou tendo episódios de insônia.


É horrível ficar num quarto escuro esquentando lençol sem conseguir descansar. Não imaginava o quanto...
Agora, depois de mais de duas horas rolando, levanto e volto para meu computador, onde leio, trabalho, escrevo - ou seja, faço tudo, menos ter uma boa noite de sono reparador.

Depois de prestar atenção ao que me impedia de dormir, ficou claro o motivo: ansiedade descontrolada.
[Coisa muito comum a quem tem depressão, fique atenta!].

Ao encostar a cabeça no travesseiro minha mente se agita e resolve desfilar uma relação longuíssima com tudo que eu deveria ter dado conta naquele dia e não resolvi; ou ficar repassando diálogos, me repreendendo por ter usado a frase A ao invés da B; também é comum preparar listas mentais de supermercado, de assuntos para o blog, de coisas para comprar, etc.; fazer contas de até que horas vou ter que ficar na cama para estar disposta novamente; além de várias outras versões de preocupações inúteis.

Fazer chá, comer algo leve, tomar banho... tudo isso é paliativo. Sim, há medicamentos para induzir o sono, e são muito eficazes. O lado negativo é que impactam na memória, que fica cada vez mais deficiente conforme o uso se torna frequente.

Descobri a duras penas que a única forma de conseguir aquietar (sem remédio) essa mente hiperativa é pensando em algo que não tenha nenhuma relação direta com a minha vida.

- Como foi mesmo aquela passagem ótima do seriado? 
- Ah! como é bom lembrar dos shows da banda favorita.
- Aquela personagem do livro atual é mesmo ingênua ou está preparando um golpe?
E por aí afora. 

Ao tirar o foco do "eu" a cabeça vai desligando, aquietando, e o sono acaba vindo. Até que tem funcionado...

Comentários