Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2018

Conversa boa

Já reparou como é difícil manter uma conversa alto astral, só com tópicos leves e sem trazer à tona algo polêmico?

Nesta nossa "Venezuela Week" o assunto é um só: gasolina. Que está faltando, que chegou no posto Y, que pessoas estão ficando mais de 6 horas (SEIS) na fila, todo mundo de mal humor, alguns discutindo.

Por outro lado...

... hoje fui à fisioterapia (graças ao Sto. Uber) com a Dra. Caroline Roncatto, essa linda da foto acima.
Ela sempre me recebe com um sorriso no rosto e um papo gostoso, leve, eclético. Uma conversa DO BEM, sabe como é? Isso me distrai dos exercícios e torna mais fácil aguentar os movimentos chatinhos. Olha só que coisa boa!

Recomendo MUITO esta Clínica
Saindo de lá quis continuar nessa vibe leve. Fui direto para a casa dos meus pais, que são uns fofos. Eles têm muita idade, quase não saem de casa e, por isso, o bate-papo rola entre o que disse o jornal, se a empregada veio, quem está doente. Nada otimista aqui, né?
Então hoje, inspirada no exempl…

Blusa felpuda

Limpando as caixas de mensagens no micro me deparei com todos os emails de lojas que eu havia marcado como spam. Nossa, quanta coisa!! Não é para menos que a gente acaba querendo comprar roupas, o bombardeio de 'nova coleção' e de 'super oferta' é incessante. Descadastrar ou enviar tudo para spam é a única forma de se ter um pouco de silêncio mental dos impulsos de compras.

Abri alguns desses spams consciente que não era para me influenciar por nenhum. Mas foram úteis pois acabei encontrando algumas coisas para comentar aqui.

A MOB está com um blusão felpudo em sua nova coleção, cobrando R$509 por ele.

Me lembrei de já ter visto outros muito semelhantes na Renner e na CeA. E fui à pesquisa: Abaixo: Renner, R$120 
Renner: à esquerda, R$100 / à direita R$120
Renner, R$100 cada
Renner ainda: bolinhas ou corações, R$100 cada
Renner R$140 cada. Tão lindas com esse decote ombro a ombro... Mas, como usar isso no inverno??
Agora, CeA: esta vermelha tem uma cor linda!! R$120
Fala…

Vestido Real

Tem como não falar sobre o vestido Givenchy que Meghan Markle usou em seu casamento com o príncipe Harry?



Eu fiquei encantada! Mas houve críticas quanto ao vestido ser muito simples, e outros se decepcionaram por achá-lo sem detalhes que transformassem a veste em algo 'copiável' (como foi o da princesa Diana).


Achei a escolha perfeita para a pessoa que Meghan é: simples, feminista, atriz.
E por ser atriz ela conhece seus pontos fortes, e fez bom uso deles, deixando em destaque seu sorriso, as sardas e o corpo de modelo.

O vestido justo, sem ornamentos, com decote canoa e mangas 3/4 ficou maravilhoso, pois seguiu as normas da realeza mas não escondeu sua boa forma atrás de um volumão de tecido, coisa habitual em noivas.

Olhem como a cauda se dobra perfeitamente atrás!
Pode-se pensar que esse é um vestido 'simples' pois não tem saias e mais saias e também não tem bordados. Isso é um engano: quando mais liso e sem enfeites, mais difícil é montar um vestido. O caimento tem…

Blogs hoje

Como mudou o foco dos blogs de moda... vocês repararam?

Antes era mesmo só Moda. Havia uma corrida para dar notícias sobre a última coleção de qualquer fast fashion que resolvesse se unir a um estilista. As fotos feitas em provadores e em lojas eram valorizadas e os posts que tratavam de "como usar", então, eram os mais procurados.


O Pílulas de Moda começou, há mais de 7 anos, falando sobre bolsas e seus estilistas, em como combiná-las com as peças da moda e também sobre como agilizar a troca do conteúdo para usar uma bolsa diferente por dia.
Prá onde foi essa blogueira?... ... Onde está? Como vive? Do quê se alimenta? 😄
Mudanças
Sabem que li agora mesmo um post onde a autora pede desculpas às leitoras por ter sido por muito tempo incentivadora de compras? Quem poderia supor que isso iria acontecer um dia?

Essa é uma prova de que estamos nos afastando cada vez mais da cultura do tem-que-ter e da dica de amiga, algo que já foi desmascarado há tempos.
Fique atenta: algumas blogue…

Acumuladora digital

Este final de semana resolvi organizar meu computador. Bem, não organizar per se, ele está bem planejado, com pastas para os diversos interesses e subdivisões nessas pastas. Mas veja, são MUITOS arquivos, coisas que há anos não abro.

Comecei empolgada e em pouco tempo já estava mais era desesperada.

Como a gente consegue guardar tanto documento, sempre temendo pelo "e se?"
- E se eu precisar desta foto? Não posso deletá-la.
- E se eu quiser ler este artigo novamente? Vou guardar!
- E se precisar deste documento, datado de 5 anos atrás? Arquivo nele.

Resultado: tirei muita coisa mas ainda nem arranhei a superfície do meu entulho digital.


Até que ponto essa compulsiva guarda de arquivos existe somente para abafar nossa ansiedade?
"Pronto, guardei! Não tenho mais que me preocupar com isto."
Sendo que o fato de ter sido mantido no micro não resolve nossa falta de atenção ao texto quando primeiramente lido; o esquecimento de artigo semelhante já arquivado; ou posterior aban…

Cedendo o banco da frente

Após a passagem dos 40-50', com toda aquela tristeza e incertezas que acompanham essa fase, a gente muda, fica mesmo mais madura.

Por exemplo, a aparência externa não me deixa mais com neuras. Eu me sinto bem na minha pele. Quando me olho de relance num espelho, eu gosto do que vejo e, inclusive, me sinto fearless* com meu cabelo curto e grisalho.

Então, lá estava eu, feliz da vida, não havia nada me incomodando.
E eis que saí de casa com meu filho dirigindo, a namorada ao lado dele e eu atrás. Sabe que isso me deprimiu?

Dirigir para mim é sinônimo de liberdade. Já faz quase 40 anos que dirijo e AMO. E nesse tempo todo estive ou ao volante ou ao lado do meu marido.

Ceder o banco da frente e viajar atrás me deu uma sensação horrível de regresso, de não estar mais no controle, de ser alguém que é levada, não leva.


Lógico que, se meu filho tem namorada, é ela que tem que seguir ao lado dele. Eu entendo super.

Entretanto, a viagem atrás não foi algo que encarei tranquilamente. Foi dur…