Pular para o conteúdo principal

A violência de todos nós


Estamos assistindo a acontecimentos dolorosos que tem em comum a manifestação brutal da violência. No Rio uma menina de dezesseis anos foi estuprada por vários homens; na madrugada do último domingo cinquenta pessoas foram mortas em Orlando enquanto divertiam-se em uma boate frequentada por homossexuais.

Não bastasse a brutalidade em si, ainda abre-se espaço para debater as possíveis razões que levaram a tais acontecimentos. Seria a menina parte do grupo, acaso ela costumava frequentar a favela onde o estupro ocorreu? E no caso da boate americana, seria o matador homofóbico ou o assassinato em massa foi um ato terrorista? A divulgação da noticia faz eclodir outra manifestação, tão irracional quanto, da violência que não está no outro, mas em cada um de nós.

No dois casos observamos um confronto de irracionalidades. Em relação ao estupro há de um lado os que acusam a garota de ser “merecedora” do que ocorreu, uma vez que o comportamento dela deve ter contribuído e muito para esse desfecho!! Do outro lado um levante feminista contra os homens, como se todos os representantes da espécie masculina fossem porcos selvagens prontos para atacar as mulheres. O desprezo e o ódio pelo gênero oposto parecem caminhar em ritmos semelhantes.

Em relação ao assassinato em massa vemos o mesmo show de horrores nos comentários postados. Se a motivação foi homofóbica há quem apoie a eliminação das diferenças no extermínio (acho que já vimos esse filme), e novamente o raciocínio da vitima como “merecedora” do ataque se faz presente. Quando considerada a hipótese de terrorismo surge o ódio em relação aos imigrantes, como se todos os que deixam seu país de origem fossem porcos selvagens prontos para atacar o mundo. E assim reeditamos na repetição da consciência que, como humanidade, não conseguimos adquirir, personagens sombrios da nossa historia, como Ku Klux Klan, Adolf Hitler entre tantos outros.

A imagem que me vem a cabeça é da humanidade percorrendo um patamar da espiral da evolução: damos a volta inteira e, quando regressamos ao ponto de origem deveríamos ter arrebanhado consciência e energia amorosa suficientes para ascender para uma oitava superior. Como falhamos nisso, percorremos novamente o mesmo caminho e repetimos as mesmas experiências. Revisitamos os mesmos velhos personagens, os pensamentos e emoções repetem-se e continuamos na mesma frequência vibratória, na mesma energia.

Apontamos o dedo para a violência do outro: dos homens estupradores, dos homofóbicos, dos terroristas. De fato são eles porta vozes do que há de pior no ser humano, da sombra que resiste à  possibilidade da luz, da doença que não se rende à cura, da inconsciência que se nega a evoluir. Mas a violência não está só neles, não é privilegio de um ou outro ser humano. Fazemos parte do mesmo grupo, somos a mesma raça humana, e talvez o que difere entre nós seja a vontade de realizar um trabalho interno que nos aproxime do aspecto divino. Ou, para quem não partilha dessa crença, um trabalho interior a serviço do bem.

Fico chocada diante dos fatos e também diante de como algumas pessoas reagem a esses fatos. O ódio que gera ódio é um sistema destrutivo que se auto alimenta, e generalizações são perigosas porque faltam com a verdade. Seria um erro iluminarmos meio campo e acreditarmos que aquele é o campo inteiro.
Dá vontade de acabar com tanta violência, não dá? E o que fazer? Talvez a resposta seja fazer o que está ao nosso alcance, o que é possível. Trabalhar a violência que há em nós, nas ralações que estabelecemos com os outros. Trabalhar nosso aspecto julgador, preconceituoso, terrorista, inconsciente.
É necessário ser a mudança que queremos ver no mundo, então mãos à obra porque há muito para ser feito!!

_________________________________________________________________________________


Texto de Ana Amorim: Psicóloga Clinica, Terapeuta, eterna curiosa e aprendiz de assuntos metafísicos.
 

Postagens mais visitadas

Desafio das 12 peças

Uma blogueira que gosto muito, Donna do I Don't Wear Sludge Brown, propôs um exercício muito legal, traduzido abaixo:

"Imagine que você perdeu todas suas roupas e tem que começar seu armário novamente. Terrível pensamento, eu sei.
Para efeito deste exercício, você ganhará um pacote inicial de 12 itens. Lingerie e meias são gratuitas.
Então, o que você vai escolher?
Vai comprar novas versões do que você já tinha? Ou você vai aproveitar a chance para se reinventar? Eu penso que a resposta a essas perguntas dizem muito sobre você. 


Se você disser sim para a primeira questão, certamente se sente confiante em seu estilo atual e gosta do que tem em seu armário.
Se for um não para a primeira pergunta, então... você ainda está buscando seu estilo? Você às vezes luta para conseguir colocar um outfit que lhe agrade? Você tem um guarda-roupas lotado, mas cada peça só combina com um ou dois outros itens? Você compra itens que não são práticos para seu estilo de vida? Aqui há chance de você ser…

Dicas de presente para terceira idade - I

I- Para uma senhora idosa ativa

Pessoas mais idosas são difíceis de presentear pois os itens escolhidos têm que ser muito bem pensados para que não se tornem mais um estorvo dentro da casa ou do armário.
Vale aqui a mesma coisa que pensamos quando estamos procurando algo para alguém mais jovem: qual a rotina da pessoa? qual seu hobby? do que ela gosta mais?

Para as pessoas da terceira idade que mantém rotina agitada as opções são maiores. Sei disso porque meus pais têm quase 90 anos e são super ativos, viajam, lêem, assistem filmes. Sempre mais fácil presentear nesses casos. Com quem você tem intimidade estão liberados os itens de MODA como roupas, bolsas e sapatos. Aqui seguem ideias para presentear uma idosa ativa, porém não tão íntima para escolhermos os itens acima.


Colares
Adoro senhorinhas com muitos colares ou com peças bem coloridas. É uma época da vida em que você não tem que seguir moda, você FAZ sua moda.   Este acima seria perfeito para minha mãe, que gosta de cristais e br…

Tênis branco

Se vocês acompanham qualquer site ou blog de Moda já devem estar cansadas de saber que o tênis branco virou um hit. Ele está sendo usado com tudo: calças, saias, vestidos curtos ou longos, alfaiatarias, shorts, jeans, etc. Nesta imagem do blog Futilish se vê bem a versatilidade:

Como esse tênis é para ser calçado com aquela meia quase sem cano, baixíssima, ou sem meia alguma, acho que alguns modelos simplesmente não rolam. O All Star, por exemplo. Eu o acho lindo, mas ele acaba com os calcanhares!
Por isso achei interessante mostrar esta opção aqui:
Tênis Corello por R$220.
Lindinho e parece ser bem macio pois tem calcanhar e entorno do pé acolchoado. Além de ser um modelo bem feminino e totalmente street (ou seja, nada a ver com tênis específico para academia), o que é obrigatório para se fazer bonito nessa moda.
E aí, gostou? Já tem o seu?

As críticas feitas ao Método KonMari

Como em um mesmo dia li duas críticas ao método de destralhamento e organização de Marie Kondo, ficou claro que está havendo uma facção contrária à numerosa corrente que a aprova e admira.

Um post diz que o método KonMari não faz a pessoa se tornar minimalista. E a explicação é que se você opta por guardar o que faz seus olhos brilharem, pode guardar muito mais coisas além do que seria estritamente necessário e essencial para sua vida.
O outro[a foto acima é desse artigo] é ainda mais incisivo e seu link diz ser "anti-marie-kondo-joy-of-clutter". Neste caso, a autora defende não haver nada de errado em termos quartos cheios de relíquias e peças colecionáveis. E ironiza ao dizer que o processo proposto pela japonesa de se agradecer aos objetos antes de doá-los chegou a um nível acima na antropomorfização.

Não sou advogada contratada para defender a Kondo e seu método [risos], mas me senti impelida a escrever porque não concordo com nada disso acima.

Ambientes ou armários abar…

Você gosta de brilhar?

Durante muuuuitos anos eu tentava me camuflar entre as pessoas, não aparecer, não chamar atenção. Pois olhe só, com a maturidade veio também segurança e amor próprio. E assumi sem medo o lado fashionista que adora brilhos, gosta de bolsas sofisticadas e tem um armário com sapatos das mais diversas cores.


Minhas roupas atuais têm sempre um detalhe diferente: seja modelagem, seja caimento ou aplicações.

E isso me levou a estas três peças que vou mostrar abaixo:

Esta saia é do site JuMarquesi. Achei as roupas bastante diferentes dos itens que já estamos cansadas de ver em todas as lojas. Detalhe: A própria Ju, dona da loja, conversou comigo por WhatsApp com uma simpatia admirável.
Outra coisa sensacional: Tive que devolver uma peça e ela fez o reembolso com uma rapidez incrível.
Recomendo a visita ao site.
Comprei esta saia evasé que vai do bege a quase preto. É de tricot e ficou bem legal com malha preta, como está na foto, e também combinei com camiseta bege semi transparente, com ris…