Pular para o conteúdo principal

Microrresoluções

Estou lendo o livro Pequenas Atitudes, Grandes Mudanças que tem uma ideia central bárbara. Vamos falar de resoluções?
Então vamos aproveitar que hoje é 08 de julho e vamos nos lembrar do que estávamos pensando exatamente seis meses atrás. Em 08 de janeiro estávamos no comecinho do ano e, com certeza, com várias determinações de ano-novo fresquinhas na mente.
O que foi que prometemos desta vez?
Perder peso? Matricular na academia? Ler mais livros? Parar de fumar? Organizar lindamente a casa e a vida? Arrumar a vida financeira de uma vez por todas? Visitar mais vezes os avós velhinhos? Mudar de emprego? Passar mais tempo com a família?

Muito bem. E hoje, seis meses depois, quais das suas promessas estão realmente sendo cumpridas?
Estatisticamente posso lhes falar que 90% das pessoas abandonam rapidamente as resoluções de ano-novo. E o motivo, normalmente, é que estas metas são desenhadas de forma muito geral, sem detalhes.

Por exemplo: cuidar mais da saúde. Se a frase termina aí, sem nada mais como complemento, sem um plano, a probabilidade dela ficar no papel é enorme.

Mas então, se um novo hábito é tão difícil de iniciar e se manter, como podemos fazer?
A solução é através das microrresoluções: você "quebra" a meta em vários objetivos pequenos e vai implantando um a um. Dá incrivelmente certo!!

Hipoteticamente, no caso da saúde: se o objetivo é fazer check up, comer melhor e passar a andar ou se exercitar, já pensou começar tudo isso ao mesmo tempo? Desanimador, não é? Mas se a primeira (micro) resolução for, por exemplo, "não comer fritura no jantar", depois de um mês fazendo isso conscientemente passa a ser um hábito, algo fácil que já nem precisa mais pensar. Aí se acrescenta outra coisa, como "estacionar mais longe e andar um quarteirão até o trabalho". E assim vai.

Olha, eu trabalho em home office e uso uma escrivaninha imensa. Com minha simpatia pelo minimalismo guardei muita coisa que ficava exposta e agora tenho um tampo bem livre. Mas volta e meia eu chegava em casa e logo ele estava abarrotado: bolsa, cartas, revistas, uma blusa, documentos ainda não arquivados, etc. Aí batia o desespero e eu só pensava o quanto gostaria de ter uma casa impecável. E olhava o entorno e desanimava com tanta coisa para arrumar.

Até que, com a leitura desse livro, resolvi fazer UMA microrresolução: não acumular nada no tampo dessa escri. Funcionou como mágica! Como meu compromisso de destralhamento é só nessa área, fica fácil mantê-lo. Não sobrecarrega, é rápido e dá aquela paz da missão cumprida, o que reforça a atitude.
E o melhor é que, quando esta resolução estiver totalmente internalizada, é só criar outra micro nova e continuar o processo em outra parte da casa. Amei!
[Nossa, jamais vou conseguir ser assim minimalista! rsrs]

Quando terminar de ler tudo farei a resenha, ok? (Estou nos 15% iniciais e já aproveitando muito)
Micro-beijos!  ;)

Postagens mais visitadas

Destralhe digital e real

Que incrível que é mudar os parâmetros que nos acompanharam a vida inteira, não é? Ultimamente só consigo pensar em diminuir meus pertences, exatamente o contrário do que sempre fiz.


Em Maio eu estava aqui reclamando da dificuldade que estava enfrentando para deletar arquivos no computador. Update: O destralhe digital ainda está acontecendo, mas a passos de tartaruga...
São dias e dias focada em textos, em dígitos, sentindo que estou sempre na mesma: o que eu limpei ainda é muito pouco frente ao montante de arquivos.

E acho que foi isso que me fez acordar uma manhã animadíssima para destralhar objetos.
Coisas palpáveis são muito mais fáceis de limpar, e ainda se vê claramente o resultado (ao contrário do digital).


Comecei juntando todos os meus cosméticos e afins, que estavam distribuídos por 4 lugares diferentes (olha só que coisa mais errada! 😱). Sentei no chão com eles e todos passaram por uma inspeção minuciosa:
(i) validade definida pelo fabricante,
(ii) validade do produto dep…

Dicas de presente para terceira idade - I

I- Para uma senhora idosa ativa

Pessoas mais idosas são difíceis de presentear pois os itens escolhidos têm que ser muito bem pensados para que não se tornem mais um estorvo dentro da casa ou do armário.
Vale aqui a mesma coisa que pensamos quando estamos procurando algo para alguém mais jovem: qual a rotina da pessoa? qual seu hobby? do que ela gosta mais?

Para as pessoas da terceira idade que mantém rotina agitada as opções são maiores. Sei disso porque meus pais têm quase 90 anos e são super ativos, viajam, lêem, assistem filmes. Sempre mais fácil presentear nesses casos. Com quem você tem intimidade estão liberados os itens de MODA como roupas, bolsas e sapatos. Aqui seguem ideias para presentear uma idosa ativa, porém não tão íntima para escolhermos os itens acima.


Colares
Adoro senhorinhas com muitos colares ou com peças bem coloridas. É uma época da vida em que você não tem que seguir moda, você FAZ sua moda.   Este acima seria perfeito para minha mãe, que gosta de cristais e br…

As críticas feitas ao Método KonMari

Como em um mesmo dia li duas críticas ao método de destralhamento e organização de Marie Kondo, ficou claro que está havendo uma facção contrária à numerosa corrente que a aprova e admira.

Um post diz que o método KonMari não faz a pessoa se tornar minimalista. E a explicação é que se você opta por guardar o que faz seus olhos brilharem, pode guardar muito mais coisas além do que seria estritamente necessário e essencial para sua vida.
O outro[a foto acima é desse artigo] é ainda mais incisivo e seu link diz ser "anti-marie-kondo-joy-of-clutter". Neste caso, a autora defende não haver nada de errado em termos quartos cheios de relíquias e peças colecionáveis. E ironiza ao dizer que o processo proposto pela japonesa de se agradecer aos objetos antes de doá-los chegou a um nível acima na antropomorfização.

Não sou advogada contratada para defender a Kondo e seu método [risos], mas me senti impelida a escrever porque não concordo com nada disso acima.

Ambientes ou armários abar…

Desafio das 12 peças

Uma blogueira que gosto muito, Donna do I Don't Wear Sludge Brown, propôs um exercício muito legal, traduzido abaixo:

"Imagine que você perdeu todas suas roupas e tem que começar seu armário novamente. Terrível pensamento, eu sei.
Para efeito deste exercício, você ganhará um pacote inicial de 12 itens. Lingerie e meias são gratuitas.
Então, o que você vai escolher?
Vai comprar novas versões do que você já tinha? Ou você vai aproveitar a chance para se reinventar? Eu penso que a resposta a essas perguntas dizem muito sobre você. 


Se você disser sim para a primeira questão, certamente se sente confiante em seu estilo atual e gosta do que tem em seu armário.
Se for um não para a primeira pergunta, então... você ainda está buscando seu estilo? Você às vezes luta para conseguir colocar um outfit que lhe agrade? Você tem um guarda-roupas lotado, mas cada peça só combina com um ou dois outros itens? Você compra itens que não são práticos para seu estilo de vida? Aqui há chance de você ser…

Tênis branco

Se vocês acompanham qualquer site ou blog de Moda já devem estar cansadas de saber que o tênis branco virou um hit. Ele está sendo usado com tudo: calças, saias, vestidos curtos ou longos, alfaiatarias, shorts, jeans, etc. Nesta imagem do blog Futilish se vê bem a versatilidade:

Como esse tênis é para ser calçado com aquela meia quase sem cano, baixíssima, ou sem meia alguma, acho que alguns modelos simplesmente não rolam. O All Star, por exemplo. Eu o acho lindo, mas ele acaba com os calcanhares!
Por isso achei interessante mostrar esta opção aqui:
Tênis Corello por R$220.
Lindinho e parece ser bem macio pois tem calcanhar e entorno do pé acolchoado. Além de ser um modelo bem feminino e totalmente street (ou seja, nada a ver com tênis específico para academia), o que é obrigatório para se fazer bonito nessa moda.
E aí, gostou? Já tem o seu?