Pular para o conteúdo principal

Cabelos brancos X tingidos

Fazia um ano e meio que não pintava o cabelo e ele já estava bem grisalho. Não estava me incomodando, mas meu marido não parava de reclamar.
Aguentei a bronca por esse tempo todo até que desisti: estava sendo mais desgastante ouvir as críticas do que  perder 2 a 3 horas no cabeleireiro a cada 20 dias.

É incrível como nós, mulheres, somos obrigadas a aparentar uma imagem FICTÍCIA: pele esticada, cabelos sem brancos, corpitcho em forma.
Não pode envelhecer, não pode engordar, não pode deixar de se cuidar visando se manter "jovem". Não podemos sair da juventude.

Agora vou contar minha experiência desse um ano e meio:
Quando o branco está começando a aparecer em alguns pontos do cabelo, seu visual fica um charme só. Quando realmente toma conta de boa parte da cabeça, você se sente - e é tratada - muito diferente do restante das pessoas, que lhe consideram alguém de muitos mais anos* do que o que você tem na verdade.

 
 Tingido, novamente.
Fala a verdade: achou o escuro mais palatável, não é?

Eu tive azar nos últimos cortes, ficaram estranhos, o que piorou a imagem de que ter cabelo branco não é bonito. Amaria ter ficado exatamente como Jamie Lee Curtis está nesta foto abaixo, mas nenhum cabeleireiro fez o que pedi.

Curiosidade: cabelo branco dá trabalho também - com a diferença que você não fica nunca com a horrível "raiz aparente". Minha ideia de real e natural conflitou com as necessidades dessa cor (não-cor?). Veja só:
  • O branco exige maquiagem: contorno nos olhos, máscara, blush, sobrancelhas destacadas. Sem maquiagem você realmente ganha uns 20 anos na sua biografia*.
  • Quanto às roupas, melhor escolher usar cores fortes pois os tons pastel abatem; o preto fica bom, mas precisa de algum complemento colorido perto do rosto (brincos, colar, lenço, batom). Sempre gostei de tons vibrantes e muita cor, mas saber que você está restrita a eles é algo estranho. Ninguém gosta de amarras.
  • Os meus brancos se mantiveram super brancos, mas ouvi muita gente falar sobre ser indispensável o uso de shampoo violeta para tirar o amarelecido que comumente aparece.  
Para fazer a transição para o grisalho você tem que ter personalidade, maturidade emocional e certeza absoluta que é isso que quer, pois é bem difícil lidar com as pessoas que lhe conhecem, que tendem a criticar, desacreditar, lhe chamar de avó, achar que você está apenas copiando um modismo, etc.

Enfim, minha experiência com cabelos brancos foi cancelada antes do branco total, mas uma coisa foi patente: o preconceito é gigantesco. 


*O estranhamento e julgamento de ter mais anos acontece porque só você está grisalha, todas as amigas e conhecidas continuam pintando os cabelos. E todo mundo acredita que estar com 50-60-70 implica em ter cabelo tingido. Rompa isso e você ouve a fofoca que "está desleixada", ou "uma velhinha", ou qualquer outra coisa pejorativa.
Pensa-se que alguém de cabelos brancos seja um avó de mais de 80 anos, e é nesse molde que querem lhe colocar. Que falta de maleabilidade! Percebi que essa aparência de anos a mais é, na verdade, a aparência real de quem está quase nos 60. O hábito nos impõe aparentarmos menos idade, mas o real é isso aí. E não há mal algum em parecer-se consigo própria.


Artigos afins
(1) "A mulher que assume os fios brancos precisa ter atitude para segurar o penteado. É um pacote: ela mostra a idade, as rugas, mas também a sabedoria e a maturidade." Link

A opinião deles
Se para as mulheres deixar de pintar os cabelos pode ser libertador, nem todos os homens acham uma boa ideia. Anderson Nápoles, 34 anos, é sócio da Barbearia 9 de Julho, em São Paulo, e afirma que nem ele não é fã do visual branquinho, tampouco os homens que frequentam seu estabelecimento. "Eu não gosto dos fios brancos. Acho desleixado. Uma mulher que deixa os cabelos brancos não quer ser atraente. É uma senhora, uma avó", reprova. Fonte: Delas - iG @ https://delas.ig.com.br/beleza/cabelos/2013-08-08/mulheres-de-30-40-e-50-anos-recusam-a-tintura-e-assumem-os-cabelos-brancos.html
 (2) Neste artigo citam a opinião dos homens: uma é bem machista e outra vem de uma cabeça mais aberta.
[Spoiler: os machistas são 99% dos homens. Nunca vi um homem apreciar cabelo branco.]

(3) Link que apresenta uma visão bem interessante: moça que tingia cabelo desde os 14 anos por já tê-lo com muitos brancos resolveu parar de pintar aos 28 quando fez as contas:
"Ela descobriu que, ao longo desse tempo, havia passado mais de mil horas em salões de cabeleireiro e desembolsado cerca de 14 mil euros (aproximadamente R$ 60.500) para pintar o cabelo."
[Eu tingi por 22 anos, o que deve ter acumulado um gasto de R$95mil. Gente, é muito desperdício de tempo e dinheiro!!]

(4) Mitos e verdades. Destaco o 10º item:
"Cabelo branco deixa o visual muito mais elegante
Verdade! Os fios brancos tem sido cada vez mais assumidos pelas mulheres, deixando o visual muito mais elegante e natural. Os cabelos brancos, além de lindos, fazem parte de um movimento de empoderamento feminino muito importante."

[Concordo sobre o empoderamento. Pena que nem sempre é possível convencer pessoas que você não está "se entregando", está se empoderando.]

(5) Fernanda Young conta por que adotou cabelos brancos

[Verdade]

 (6) Olhem só que frase linda #snq:
“Para as mulheres, os cabelos brancos sempre foram malvistos do ponto de vista estético, já que eram exclusivamente associados à decadência física”, comenta o sociólogo Frédéric Godart. 
[Para os homens pode. Para as mulheres é decadência física. Às vezes sinto que ainda estamos na idade da pedra!!] 

(7) Sugestão de quando parar de tingir, por Gabriela Ganem
É claro que eu adoraria vir aqui e dizer para todo mundo que pintar cabelo é bobagem e que isso não importa… Mas não é o que corresponde às sinapses dos nossos cérebros (a culpa não é minha, viu?). Se eu fosse colocar em dígitos, numa média bem generalizada, minha abordagem em relação aos cabelos brancos seria:
Até os 40 anos :: Eu não recomendo a cabeça branca antes dos 40 anos de forma nenhuma. Acredito que isso causa uma dissonância cognitiva e as pessoas ficam atordoadas num efeito Glória Maria, perdidas no tempo. 
Até os 55 anos :: Entre 40 e 55 anos, em pleno 2018, acredito que ainda não é a hora de se tornar grisalha. Afinal, 40 é o novo 30. Mas se você se isso não for afetar negativamente o seu trabalho ou suas ambições sociais, por que não? Se isso é o que você quer mesmo, vá em frente. 
Até os 70 anos :: É um período longo, eu sei. Mas aqui eu diria que vai depender de cada caso. Você imagina Ivete Sangalo grisalha em 9 anos? Eu não consigo. Mas Meryl Streep estava de cabeça branca aos 56 anos em O Diabo Veste Prada e ficou perfeita. Então pense nestes dois exemplos e busque uma identificação. Eu acho que eu vou estar mais para Meryl. Não bebi na fonte da Ivete, infelizmente, rs. 
A partir dos 70 anos :: Pode ser antes, pode ser depois mas, numa média, eu diria que os 70 são o momento em que não ter nenhum cabelo branco aparente fica muito estranho. A natureza não é gentil assim com ninguém, rs. Por isso, uma cor chapada nesta fase da vida pode ter o mesmo efeito de dissonância cognitiva do primeiro item. Uma outra questão é a coloração. A gente perde pigmento conforme envelhecemos e não é só no cabelo. De acordo com a temperatura da pele e nível de contraste ter os fios grisalhos pode ser mais jogo do que se tacar na tintura. Um estudo recente mostrou que as peles “esfriam” com a chegada da terceira idade.
 

Postagens mais visitadas

Destralhe digital e real

Que incrível que é mudar os parâmetros que nos acompanharam a vida inteira, não é? Ultimamente só consigo pensar em diminuir meus pertences, exatamente o contrário do que sempre fiz.


Em Maio eu estava aqui reclamando da dificuldade que estava enfrentando para deletar arquivos no computador. Update: O destralhe digital ainda está acontecendo, mas a passos de tartaruga...
São dias e dias focada em textos, em dígitos, sentindo que estou sempre na mesma: o que eu limpei ainda é muito pouco frente ao montante de arquivos.

E acho que foi isso que me fez acordar uma manhã animadíssima para destralhar objetos.
Coisas palpáveis são muito mais fáceis de limpar, e ainda se vê claramente o resultado (ao contrário do digital).


Comecei juntando todos os meus cosméticos e afins, que estavam distribuídos por 4 lugares diferentes (olha só que coisa mais errada! 😱). Sentei no chão com eles e todos passaram por uma inspeção minuciosa:
(i) validade definida pelo fabricante,
(ii) validade do produto dep…

Dicas de presente para terceira idade - I

I- Para uma senhora idosa ativa

Pessoas mais idosas são difíceis de presentear pois os itens escolhidos têm que ser muito bem pensados para que não se tornem mais um estorvo dentro da casa ou do armário.
Vale aqui a mesma coisa que pensamos quando estamos procurando algo para alguém mais jovem: qual a rotina da pessoa? qual seu hobby? do que ela gosta mais?

Para as pessoas da terceira idade que mantém rotina agitada as opções são maiores. Sei disso porque meus pais têm quase 90 anos e são super ativos, viajam, lêem, assistem filmes. Sempre mais fácil presentear nesses casos. Com quem você tem intimidade estão liberados os itens de MODA como roupas, bolsas e sapatos. Aqui seguem ideias para presentear uma idosa ativa, porém não tão íntima para escolhermos os itens acima.


Colares
Adoro senhorinhas com muitos colares ou com peças bem coloridas. É uma época da vida em que você não tem que seguir moda, você FAZ sua moda.   Este acima seria perfeito para minha mãe, que gosta de cristais e br…

Desafio das 12 peças

Uma blogueira que gosto muito, Donna do I Don't Wear Sludge Brown, propôs um exercício muito legal, traduzido abaixo:

"Imagine que você perdeu todas suas roupas e tem que começar seu armário novamente. Terrível pensamento, eu sei.
Para efeito deste exercício, você ganhará um pacote inicial de 12 itens. Lingerie e meias são gratuitas.
Então, o que você vai escolher?
Vai comprar novas versões do que você já tinha? Ou você vai aproveitar a chance para se reinventar? Eu penso que a resposta a essas perguntas dizem muito sobre você. 


Se você disser sim para a primeira questão, certamente se sente confiante em seu estilo atual e gosta do que tem em seu armário.
Se for um não para a primeira pergunta, então... você ainda está buscando seu estilo? Você às vezes luta para conseguir colocar um outfit que lhe agrade? Você tem um guarda-roupas lotado, mas cada peça só combina com um ou dois outros itens? Você compra itens que não são práticos para seu estilo de vida? Aqui há chance de você ser…

As críticas feitas ao Método KonMari

Como em um mesmo dia li duas críticas ao método de destralhamento e organização de Marie Kondo, ficou claro que está havendo uma facção contrária à numerosa corrente que a aprova e admira.

Um post diz que o método KonMari não faz a pessoa se tornar minimalista. E a explicação é que se você opta por guardar o que faz seus olhos brilharem, pode guardar muito mais coisas além do que seria estritamente necessário e essencial para sua vida.
O outro[a foto acima é desse artigo] é ainda mais incisivo e seu link diz ser "anti-marie-kondo-joy-of-clutter". Neste caso, a autora defende não haver nada de errado em termos quartos cheios de relíquias e peças colecionáveis. E ironiza ao dizer que o processo proposto pela japonesa de se agradecer aos objetos antes de doá-los chegou a um nível acima na antropomorfização.

Não sou advogada contratada para defender a Kondo e seu método [risos], mas me senti impelida a escrever porque não concordo com nada disso acima.

Ambientes ou armários abar…

Tênis branco

Se vocês acompanham qualquer site ou blog de Moda já devem estar cansadas de saber que o tênis branco virou um hit. Ele está sendo usado com tudo: calças, saias, vestidos curtos ou longos, alfaiatarias, shorts, jeans, etc. Nesta imagem do blog Futilish se vê bem a versatilidade:

Como esse tênis é para ser calçado com aquela meia quase sem cano, baixíssima, ou sem meia alguma, acho que alguns modelos simplesmente não rolam. O All Star, por exemplo. Eu o acho lindo, mas ele acaba com os calcanhares!
Por isso achei interessante mostrar esta opção aqui:
Tênis Corello por R$220.
Lindinho e parece ser bem macio pois tem calcanhar e entorno do pé acolchoado. Além de ser um modelo bem feminino e totalmente street (ou seja, nada a ver com tênis específico para academia), o que é obrigatório para se fazer bonito nessa moda.
E aí, gostou? Já tem o seu?